Depois de apoiar o golpe, FHC pede diálogo e fim do ódio

Um dos grandes nomes do golpe que destitui Dilma Rousseff, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) agora defende a paz e o diálogo político; "democracia exige certo grau de aceitação um do outro. Acho que só vamos sair de onde estamos, se criarmos de novo um ambiente que permita um jogo de divergências e não de ódio", disse o tucano

RJ - ACRJ/FHC - ECONOMIA - O ex-presidente da República e presidente do   Instituto FHC, Fernando Henrique Cardoso, é   o convidado de honra do tradicional Almoço   do Empresário, realizado pela Associação   Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ), nesta   qua
RJ - ACRJ/FHC - ECONOMIA - O ex-presidente da República e presidente do Instituto FHC, Fernando Henrique Cardoso, é o convidado de honra do tradicional Almoço do Empresário, realizado pela Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ), nesta qua (Foto: Giuliana Miranda)

247 - O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), depois de apoiar ativamente o clima de instabilidade no país para viabilizar o golpe que destituiu Dilma Rousseff, agora defende a paz e o diálogo político.

"Democracia exige certo grau de aceitação um do outro. Acho que só vamos sair de onde estamos, se criarmos de novo um ambiente que permita um jogo de divergências e não de ódio", disse o tucano, durante lançamento do terceiro volume de seu livro “Diários da Presidência: 1999-2000”, no Rio.

Apesar do discurso pacifista, FHC não se furtou de atacar o PT e de responsabilizar o partido pelos problemas políticos. 

As informações são de reportagem de O Globo.

"O diálogo se perdeu quando o PT inventou que o PSDB era o inimigo principal. Uma vez, eu ouvi uma declaração do José Dirceu, coitado, está na cadeia hoje, lamento, perguntando por que eu não ia cuidar dos netos. Uma coisa grosseira, está velho, vai embora. Eu me dava com eles. A briga foi eleitoreira – disse FH.

No momento em que o ex-presidente citou a prisão do ex-ministro petista José Dirceu, as cerca de 50 pessoas que acompanhavam o bate-papo em uma livraria no Leblon, na Zona Sul do Rio, reagiram com gargalhadas e aplausos. Esse foi o momento de maior reação do público.

Fernando Henrique ressaltou que, apesar de só PT e PSDB terem lançado candidatos competitivos à Presidência da República depois da redemocratização, os dois partidos nunca tiveram maioria no Congresso:

– Isso foi levando cada um desses dois partidos a buscar apoio onde fosse possível. Deu no que deu, uma tragédia nacional. Houve contaminação de um partido que veio com uma proposta renovadora (PT) pelas práticas tradicionais e exagerou nelas. Chegou em uma corrupção institucionalizada.

O ex-presidente afirmou que nunca incentivou “essa visão antagônica com ódio” e defendeu a retomada do diálogo."

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247