Depois de prescrever cloroquina, Bolsonaro começa a fazer propaganda de remédio israelense

Jair Bolsonaro deixa cada vez mais evidente seu desprezo pela vacina e aposta em remédios ineficazes no combate à Covid-19. Após gastar milhões dos cofres públicos na fabricação e distribuição da cloroquina, ele agora promove remédio israelense que testou apenas 30 pessoas

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Jair Bolsonaro deixa cada vez mais evidente seu desprezo pela vacina e aposta em remédios  sem efeitos comprovados no combate à Covid-19. Após gastar milhões dos cofres públicos na fabricação e distribuição da cloroquina, ele agora promove remédio israelense em fase de testes. 

“Conversei há pouco com o Primeiro-Ministro de Israel, @netanyahu [Benjamin Netanyahu] . Dentre outros assuntos, tratamos da participação do Brasil na 3ª fase de testes do spray EXO-CD24, medicamento israelense que, até o momento, vem obtendo grande sucesso no tratamento da covid-19 em casos graves”, disse ele.

Bolsonaro repete o mesmo enredo usado com a cloroquina, mas desta vez com o EXO-CD24, um remédio experimental contra o câncer que, segundo pesquisadores do centro médico Ichilov, em Israel, evita uma resposta exacerbada do sistema imunológico à covid-19, como apontou reportagem do Portal UOL. 

A reportagem também esclarece que, apesar de promissor, o problema é que o estudo foi feito com um número muito reduzido de pacientes, apenas 30, e sem grupo de controle. Ou seja, os resultados não foram comparados com um grupo de pacientes em condições semelhantes que não recebeu o medicamento.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email