Depois de protestos, Rui Falcão defende candidaturas de oposição

Presidente nacional do PT, Rui Falcão, defendeu neste domingo, 29, o lançamento de candidaturas da oposição para a presidência da Câmara e do Senado; posicionamento do presidente ocorreu depois da onda de protesto de filiados contra o eventual apoio do partido a nomes como Rodrigo Maia (DEM) na Câmara e Eunício Oliveira (PMDB) no Senado, parlamentares que atuaram em favor do golpe que retirou a presidente Dilma Rousseff do poder; "Minha opinião pessoal é que nos unamos aos parlamentares da oposição (PDT, PC do B, Rede e PSol) num bloco a ser encabeçado(a) por alguém deste campo", afirma Falcão em artigo; ideia é lançar o nome de Paulo Teixeira (SP) na Câmara e Lindbergh Farias, no Senado

Depois de protestos, Rui Falcão defende candidaturas de oposição
Depois de protestos, Rui Falcão defende candidaturas de oposição (Foto: Claudio Manculi/Frame)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O presidente nacional do PT, Rui Falcão, defendeu neste domingo, 29, o lançamento de candidaturas da oposição para a presidência da Câmara e do Senado. 

Posicionamento do presidente ocorreu depois da onda de protesto de filiados contra o eventual apoio do partido a nomes como Rodrigo Maia (DEM) na Câmara e Eunício Oliveira (PMDB) no Senado, parlamentares que atuaram em favor do golpe que retirou a presidente Dilma Rousseff do poder. 

"Minha opinião pessoal é que nos unamos aos parlamentares da oposição (PDT, PC do B, Rede e PSol) num bloco a ser encabeçado(a) por alguém deste campo", afirma Falcão em artigo.

A ideia é lançar o nome de Paulo Teixeira (SP) na Câmara e Lindbergh Farias, no Senado.

Leia abaixo o artigo de Rui Falcão na íntegra:

"O PT está vivendo um clima de Congresso. O 6o Congresso abriu as comportas para o debate de ideias, para a livre expressão das bases, para o florescimento de novas propostas, para o livre curso da luta política, a qual, quando fraterna e leal, vivifica e nos fortalece para militar, na melhor tradição que vimos cultivando nestes 37 anos.

E este clima de Congresso estende-se com maior intensidade e amplitude nas incontáveis manifestações de militantes a respeito da tática que nossas bancadas devem seguir na eleição das Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal.

Elas percorreram as redes na Internet –uma comunicação livre que é "a prática mais subversiva de todas" e que empodera seus mensageiros–, mobilizaram presidentes de diretórios, parlamentares, tendências organizadas... Enfim, uma mobilização cujo objetivo é questionar a resolução do Diretório Nacional, aprovada no dia 20 de janeiro último, e que orienta nossas deputadas, deputados, senadoras e senadores a se posicionarem na sucessão da direção das duas Casas.

É verdade que a divergência em torno da melhor tática parlamentar vinha de antes, motivada pela conjuntura inaugurada pelo golpe, razão pela qual a Comissão Executiva e o Diretório Nacional decidiram pautar o tema que, antes do impeachment, era tratado predominantemente no âmbito das Bancadas.

Quando da eleição do novo líder do PT na Câmara –os deputados Carlos Zarattini, para este ano, e Paulo Pimenta, para 2018– a Bancada acordou que o grupo Muda PT indicaria o cargo na Mesa que coubesse ao PT. Foi então constituída uma comissão de 12 parlamentares, coordenada pelo líder, incumbida de dialogar com os pretendentes à Presidência, apresentar nossos pleitos legítimos e buscar assegurar, na condição de segunda maior Bancada, a proporcionalidade na Mesa e a participação em comissões importantes.

Antes de chegar à reunião do DN, os membros da comissão dialogaram com o presidente Lula, informaram e posicionaram-se perante a CEN e, finalmente, no DN.

A Resolução do DN, vale lembrar, afirma claramente: "as Bancadas do PT, que não aceitam, não transigem e não reconhecem o governo golpista nem qualquer outro que não seja legitimado pelo voto popular, continuarão atuando, em conjunto com outros partidos e parlamentares, em oposição a todas as propostas regressivas do Executivo e seus aliados".

Além disso, reitera nossa disposição de nos opormos ao governo usurpador e a todos os projetos antipopulares, antinacionais e de supressão de direitos, dentro e fora do Congresso Nacional.

Entretanto, é verdade que não há vetos, no documento aprovado, ao prosseguimento das conversações que vinham se realizando pelas Bancadas, com todos os postulantes à direção das Casas congressuais. Eis aí o foco principal da divergência que, a nosso ver, provocou o movimento de contestação e de pressão sobre as Bancadas, a quem competirá a decisão final, por consenso ou maioria.

Não há tempo de promover, agora, uma consulta a toda a militância petista e a nossos milhares de simpatizantes para aferir maiorias ou minorias, tal como ocorreu nos episódios do Colégio Eleitoral e do plebiscito de 1993.

O fato é que o protesto tem audiência, repercussão e deve ser ouvido pelos parlamentares.

Por isso, e por entender que a resolução do DN também prevê esta alternativa, minha opinião pessoal é que nos unamos aos parlamentares da oposição (PDT, PC do B, Rede e PSol) num bloco a ser encabeçado (a) por alguém deste campo.

E que o voto das nossas Bancadas se paute pelos compromissos enunciados pelo PT, expressando publicamente, de forma unitária e transparente, a razão da escolha.

Tenho convicção de que, desse modo, o entusiasmo da militância se propagará em todas as frentes de luta: na defesa do companheiro Lula e de sua futura candidatura a presidente; no enfrentamento da malsinada reforma da Previdência; no combate à regressiva reforma trabalhista; na luta pela antecipação das eleições diretas; e, não menos importante, na sua inestimável contribuição ao sucesso do 6o Congresso do PT."

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247