Depois de protestos, Rui Falcão defende candidaturas de oposição

Presidente nacional do PT, Rui Falcão, defendeu neste domingo, 29, o lançamento de candidaturas da oposição para a presidência da Câmara e do Senado; posicionamento do presidente ocorreu depois da onda de protesto de filiados contra o eventual apoio do partido a nomes como Rodrigo Maia (DEM) na Câmara e Eunício Oliveira (PMDB) no Senado, parlamentares que atuaram em favor do golpe que retirou a presidente Dilma Rousseff do poder; "Minha opinião pessoal é que nos unamos aos parlamentares da oposição (PDT, PC do B, Rede e PSol) num bloco a ser encabeçado(a) por alguém deste campo", afirma Falcão em artigo; ideia é lançar o nome de Paulo Teixeira (SP) na Câmara e Lindbergh Farias, no Senado

Depois de protestos, Rui Falcão defende candidaturas de oposição
Depois de protestos, Rui Falcão defende candidaturas de oposição (Foto: Claudio Manculi/Frame)

247 - O presidente nacional do PT, Rui Falcão, defendeu neste domingo, 29, o lançamento de candidaturas da oposição para a presidência da Câmara e do Senado. 

Posicionamento do presidente ocorreu depois da onda de protesto de filiados contra o eventual apoio do partido a nomes como Rodrigo Maia (DEM) na Câmara e Eunício Oliveira (PMDB) no Senado, parlamentares que atuaram em favor do golpe que retirou a presidente Dilma Rousseff do poder. 

"Minha opinião pessoal é que nos unamos aos parlamentares da oposição (PDT, PC do B, Rede e PSol) num bloco a ser encabeçado(a) por alguém deste campo", afirma Falcão em artigo.

A ideia é lançar o nome de Paulo Teixeira (SP) na Câmara e Lindbergh Farias, no Senado.

Leia abaixo o artigo de Rui Falcão na íntegra:

"O PT está vivendo um clima de Congresso. O 6o Congresso abriu as comportas para o debate de ideias, para a livre expressão das bases, para o florescimento de novas propostas, para o livre curso da luta política, a qual, quando fraterna e leal, vivifica e nos fortalece para militar, na melhor tradição que vimos cultivando nestes 37 anos.

E este clima de Congresso estende-se com maior intensidade e amplitude nas incontáveis manifestações de militantes a respeito da tática que nossas bancadas devem seguir na eleição das Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal.

Elas percorreram as redes na Internet –uma comunicação livre que é "a prática mais subversiva de todas" e que empodera seus mensageiros–, mobilizaram presidentes de diretórios, parlamentares, tendências organizadas... Enfim, uma mobilização cujo objetivo é questionar a resolução do Diretório Nacional, aprovada no dia 20 de janeiro último, e que orienta nossas deputadas, deputados, senadoras e senadores a se posicionarem na sucessão da direção das duas Casas.

É verdade que a divergência em torno da melhor tática parlamentar vinha de antes, motivada pela conjuntura inaugurada pelo golpe, razão pela qual a Comissão Executiva e o Diretório Nacional decidiram pautar o tema que, antes do impeachment, era tratado predominantemente no âmbito das Bancadas.

Quando da eleição do novo líder do PT na Câmara –os deputados Carlos Zarattini, para este ano, e Paulo Pimenta, para 2018– a Bancada acordou que o grupo Muda PT indicaria o cargo na Mesa que coubesse ao PT. Foi então constituída uma comissão de 12 parlamentares, coordenada pelo líder, incumbida de dialogar com os pretendentes à Presidência, apresentar nossos pleitos legítimos e buscar assegurar, na condição de segunda maior Bancada, a proporcionalidade na Mesa e a participação em comissões importantes.

Antes de chegar à reunião do DN, os membros da comissão dialogaram com o presidente Lula, informaram e posicionaram-se perante a CEN e, finalmente, no DN.

A Resolução do DN, vale lembrar, afirma claramente: "as Bancadas do PT, que não aceitam, não transigem e não reconhecem o governo golpista nem qualquer outro que não seja legitimado pelo voto popular, continuarão atuando, em conjunto com outros partidos e parlamentares, em oposição a todas as propostas regressivas do Executivo e seus aliados".

Além disso, reitera nossa disposição de nos opormos ao governo usurpador e a todos os projetos antipopulares, antinacionais e de supressão de direitos, dentro e fora do Congresso Nacional.

Entretanto, é verdade que não há vetos, no documento aprovado, ao prosseguimento das conversações que vinham se realizando pelas Bancadas, com todos os postulantes à direção das Casas congressuais. Eis aí o foco principal da divergência que, a nosso ver, provocou o movimento de contestação e de pressão sobre as Bancadas, a quem competirá a decisão final, por consenso ou maioria.

Não há tempo de promover, agora, uma consulta a toda a militância petista e a nossos milhares de simpatizantes para aferir maiorias ou minorias, tal como ocorreu nos episódios do Colégio Eleitoral e do plebiscito de 1993.

O fato é que o protesto tem audiência, repercussão e deve ser ouvido pelos parlamentares.

Por isso, e por entender que a resolução do DN também prevê esta alternativa, minha opinião pessoal é que nos unamos aos parlamentares da oposição (PDT, PC do B, Rede e PSol) num bloco a ser encabeçado (a) por alguém deste campo.

E que o voto das nossas Bancadas se paute pelos compromissos enunciados pelo PT, expressando publicamente, de forma unitária e transparente, a razão da escolha.

Tenho convicção de que, desse modo, o entusiasmo da militância se propagará em todas as frentes de luta: na defesa do companheiro Lula e de sua futura candidatura a presidente; no enfrentamento da malsinada reforma da Previdência; no combate à regressiva reforma trabalhista; na luta pela antecipação das eleições diretas; e, não menos importante, na sua inestimável contribuição ao sucesso do 6o Congresso do PT."

Conheça a TV 247

Mais de Brasil

Ao vivo na TV 247 Youtube 247