Desmatamento em áreas indígenas em 2019 é o maior em 11 anos

O desmatamento em áreas indígenas na Amazônia cresceu quase três vezes mais do que na região como um todo entre agosto de 2018 e julho de 2019, com 42,6 mil hectares desmatados

(Foto: Foto: Mayke Toscano/Gcom-MT)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - A devastação em terras indígenas atingiu o seu maior número desde o biênio 2007-08, quando os levantamentos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) passaram a permitir a análise das áreas de reserva.

Os dados estão em um estudo preparado pela organização não-governamental Instituto Sócioambiental (ISA) com base nos dados do Prodes, sistema do Inpe que monitora por satélite o desmatamento da Amazônia. Em 2019, o Prodes mostrou que o desmatamento geral na Amazônia no mesmo período foi de 9.762 quilômetros quadrados —ou 976,2 mil hectares.

O desmatamento nas áreas indígenas representa apenas 4,2% do total da perda de floresta na Amazônia, mas o levantamento mostra um aumento acentuado no último ano, vindo já de um crescimento considerável entre 2017 e 2018.

Os dados do Prodes permitem a análise do desmatamento em áreas protegidas —reservas indígenas e unidades de conservação— apenas desde 2008. Os dados deste ano são os maiores desse período.

O desmatamento em áreas indígenas vinha caindo consistentemente desde 2008, quando ficou pouco acima de 30 mil hectares. Em 2014, ponto mais baixo dos últimos 11 anos, ficou pouco acima de 5 mil hectares, mas subiu nos anos seguintes. Em 2017 chegou a 11 mil, mas pulou para quase 25 mil hectares em 2018. Este ano, alcançou o maior valor da série histórica, uma alta de 174% em relação à média entre 2008 e 2018.

“O desmatamento tem crescido ano a ano. Tem uma tendência de retomada. O que a gente percebeu este ano é que se eu usasse a linha de tendência de 2012 a 2018, o crescimento de 2019 seria menor que foi. O patamar de 2019 foi muito maior que essa tendência. Tem alguma outra variável que está pressionando”, disse Antonio Oviedo, pesquisador do ISA responsável pelo estudo.

De acordo com o estudo, a grilagem de terras, o garimpo ilegal e o roubo de madeira praticados por invasores seguem como os principais vetores do desmatamento nessas áreas, além da abertura de novas áreas para obras de infraestrutura.

Apesar do desmatamento crescente, as reservas indígenas, assim como as unidades de conservação, ainda conseguem manter a maior parte da sua cobertura vegetal intacta.

O ISA analisou 207 de 424 reservas na Amazônia. Nessas, apenas 1,3% dos 78 milhões de hectares foi desmatado e a grande maioria das reservas perdeu menos de 10% das suas florestas nativas. No entanto, 20% já perderam quase metade de sua cobertura florestal e 5% praticamente não a possuem mais.

De acordo com Oviedo, 15 áreas são responsáveis por 90% do desmatamento em terras indígenas. São poucas reservas, mas que estão localizadas em áreas de muito ameaças, próximas a assentamentos, estradas, áreas de conflitos de terra ou de interesse para garimpo, por exemplo.

“As terras indígenas são barreiras potentes contra desmatamento. Onde tem população tradicional tem floresta. Essas que sofrem têm uma localização em áreas muito pressionadas e a gente vê esse resultado”, explica.

Das 10 áreas identificadas como maiores alvos de desmatamento este ano, as seis primeiras ficam no Pará, outras duas em Rondônia, uma em Mato Grosso e a 10ª, em Roraima.

Na área de Ituna/Itatá, ao sul de Altamira (PA), o desmatamento chegou a 12 mil hectares entre 2018 e 2019, mais de 600% a mais do que no período anterior. Este ano, fiscais do Ibama encontraram uma pista de pouso de mais de dois quilômetros de extensão, além de construções e árvores já serradas prontas para serem transportadas.

A segunda reserva com maiores problemas de desmatamento, Apyterewa, em São Félix do Xingu (PA), teve um crescimento de 333% no desmatamento. No início deste ano, o governo federal chegou a enviar homens da Força Nacional de Segurança para retirar invasores da terra indígena.

Na semana passada, mais um líder indígena da etnia Guajajara, conhecida por proteger a floresta de invasores, foi assassinado no Maranhão. Este ano, sete líderes indígenas foram mortos. Segundo a Comissão Pastoral da Terra, o maior número em 11 anos.

Ambientalistas criticam o governo de Jair Bolsonaro e apontam o discurso adotado por ele de defesa de uma maior exploração econômica da Amazônia como um dos responsáveis pela alta do desmatamento da floresta.

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, também é alvo de críticas pelo que organizações não-governamentais e também representantes da Organização das Nações Unidas (ONU) classificam de desmonte de mecanismos de fiscalização na área ambiental.

“O que a gente ouve dos nossos parceiros que estão no campo é que esse discurso, que antes era uma narrativa, começa a se refletir no campo, em violência, assassinatos. Essas pessoas começam a ficar mais empoderadas. Se o presidente pode falar mal de quilombolas, de assentados, eu tenho o respaldo do presidente”, analisa Oviedo.


O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247