Dilma apoia greve de entregadores: devem ter seus direitos reconhecidos e pagos

A ex-presidente Dilma Rousseff declarou apoio aos trabalhadores de aplicativos que promoveram greve nesta quarta-feira (1), exigindo vínculo empregatício e melhores condições de trabalho. “Esta categoria de trabalhadores tem sido submetida a uma nova forma de servidão”, afirmou

(Foto: Reprodução | Stuckert)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A ex-presidente Dilma Rousseff declarou apoio e solidariedade aos trabalhadores de aplicativos que cruzaram os braços nesta quarta-feira (1) em greve por melhores condições de trabalho. “Esta categoria de trabalhadores tem sido submetida a uma nova forma de servidão”, denunciou ela em suas redes sociais. 

Dilma também esclareceu que “entregadores de apps não são trabalhadores formais, porque não têm nenhum direito trabalhista, e não são empreendedores, porque nada possuem além de suas motos e bicicletas, que muitas vezes são alugadas. Trabalham mais de 12 horas/dia para ganhar em média R$ 963/mês”. 

“São chamados de empreendedores só para que lhes neguem direitos básicos, como jornada de 8h, hora extra, folga semanal, previdência, seguro contra acidentes e alimentação. Um deles desabafou: "O que dói mais é trabalhar com fome carregando comida nas costas”, acrescentou ela. 

Dilma também apontou que “o capitalismo de plataformas impõe uma forma brutal de exploração. As companhias que controlam o setor aumentaram seus lucros em 85%, enquanto os entregadores perderam renda, pela concorrência excessiva, e hoje se arriscam o tempo todo à contaminação pelo coronavírus”. 

“Os trabalhadores devem ter seus direitos reconhecidos e pagos. As plataformas e os controladores dos aplicativos devem ser regulados e fiscalizados”, defendeu a ex-presidente, que fez outro alerta: “A barbárie em nosso país está solta e sem nenhum controle. Isso não pode continuar. Por isso, meu apoio ao #BrequeDosApps”. 

Saiba mais 

Para dizer não ao regime de exploração dos aplicativos de entrega, motoboys saíram às ruas na manhã desta quarta-feira (1) reivindicando melhores condições de trabalho. Os trabalhadores cobram um vínculo trabalhista com as empresas e melhores condições de trabalho. 

Eles denunciam que chegam a ganhar apenas R$3,00 por uma corrida e que muitas vezes sentem fome e carregam nas mochilas as comidas da entrega. Além disso, não possuem nenhuma proteção ou plano de saúde, tendo em vista o risco que correm ao se exporem nas ruas das grandes capitais, todos os dias. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247