Dilma responde Lindberg: Levy fica

Em resposta às declarações do senador Lindberg Farias (PT-RJ), que criticou o ajuste e defendeu a saída do ministro Joaquim Levy, Dilma disse que respeita a posição do senador, mas deixou claro que Levy é pessoa "de sua confiança"; "Dentro de todos os partidos, você vê pessoas pensando diferente. Eu não tenho a mesma posição do senador em relação ao Joaquim Levy. O Joaquim Levy é da minha confiança, fica no governo", afirmou; em conversa com o presidente Tabaré Vásquez, que esteve hoje em Brasília, Dilma disse que defendeu que a Venezuela deve solucionar as dificuldades de forma "democrática" e que fazer acordo com a União Europeia é prioridade para o Mercosul este ano

www.brasil247.com - Em resposta às declarações do senador Lindberg Farias (PT-RJ), que criticou o ajuste e defendeu a saída do ministro Joaquim Levy, Dilma disse que respeita a posição do senador, mas deixou claro que Levy é pessoa "de sua confiança"; "Dentro de todos os partidos, você vê pessoas pensando diferente. Eu não tenho a mesma posição do senador em relação ao Joaquim Levy. O Joaquim Levy é da minha confiança, fica no governo", afirmou; em conversa com o presidente Tabaré Vásquez, que esteve hoje em Brasília, Dilma disse que defendeu que a Venezuela deve solucionar as dificuldades de forma "democrática" e que fazer acordo com a União Europeia é prioridade para o Mercosul este ano
Em resposta às declarações do senador Lindberg Farias (PT-RJ), que criticou o ajuste e defendeu a saída do ministro Joaquim Levy, Dilma disse que respeita a posição do senador, mas deixou claro que Levy é pessoa "de sua confiança"; "Dentro de todos os partidos, você vê pessoas pensando diferente. Eu não tenho a mesma posição do senador em relação ao Joaquim Levy. O Joaquim Levy é da minha confiança, fica no governo", afirmou; em conversa com o presidente Tabaré Vásquez, que esteve hoje em Brasília, Dilma disse que defendeu que a Venezuela deve solucionar as dificuldades de forma "democrática" e que fazer acordo com a União Europeia é prioridade para o Mercosul este ano (Foto: Gisele Federicce)


Paulo Victor Chagas, da Agência Brasil - A presidente Dilma Rousseff disse nesta quinta-feira, 21, que quer e precisa da aprovação das medidas de ajuste fiscal em tramitação no Congresso. Acrescentou que o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, é homem de sua confiança e permanecerá no governo. Segundo ela, o ajuste é "fundamental" para o "Brasil virar esta página" que começou com a crise econômica mundial, em 2008.

Em referência aos comentários do senador Lindberg Farias (PT-RJ), que em entrevista nessa quarta-feira (20) defendeu a saída de Levy, a presidenta disse que o ministro vai permanecer no governo. "Este é um país democrático, as pessoas podem pensar diferente. Dentro de todos os partidos, você vê pessoas pensando diferente. Eu não tenho a mesma posição do senador em relação ao Joaquim Levy. O Joaquim Levy é da minha confiança, fica no governo", afirmou.

As declarações foram feitas no Palácio Itamaraty. Enquanto aguardava a chegada do presidente uruguaio Tabaré Vázquez, a presidenta disse que o país vive um momento "muito especial" em que a aprovação do ajuste é necessária. Ela destacou que em um regime democrático, o Poder Executivo não pode dar ordens para o Legislativo aprovar. Para Dilma, não é possível tratar de eventuais vetos à alterações que porventura sejam feitas pelo Congresso.

"Nós trabalhamos para a aprovação. O que se faz? Se dialoga. Eu tenho de respeitar como vai se dar a discussão. Não sei se vai ter emenda ou não. A gente não faz prognósticos, a gente observa a realidade, tenta criar condições para que coisas se deem conforme as necessidades do país", afirmou a presidenta.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Desde quando começou a crise do [banco americano] Lehman Brothers, nós viemos segurando [a economia] com os recursos brasileiros e impedindo que a crise se alastre pelo país. Segurando emprego, renda e empresas para que possam ter atividade econômica. A crise durou uma quantidade de tempo, estamos no oitavo ano no mundo, sétimo no Brasil", ressaltou Dilma. Ela frisou, no entanto, que há um limite para os gastos. Segundo a presidenta, o momento agora é de recompor as contas fiscais "para poder prosseguir". A seu ver, isso será feito com as medidas provisórias e o projeto de lei (das desonerações) que estão no Congresso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Confira abaixo reportagem do 247 sobre o assunto:

Dilma: Venezuela deve resolver conflitos pacificamente

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A presidente Dilma Rousseff afirmou a jornalistas nesta quinta-feira 21 que a Venezuela foi um dos temas discutidos entre ela e o presidente uruguaio, Tabaré Vázquez, que foi recebido por ela hoje no Palácio do Planalto. Os dois participam de um almoço no Itamaray.

"Sobre a Venezuela, eu e o presidente Tabaré Vázquez coincidimos que seu legítimo governo e suas forças devem buscar solucionar pacífica e democraticamente, no marco constitucional do país, os conflitos e as dificuldades e os desafios existentes", disse a presidente. "O entendimento entre os venezuelanos interessa ao conjunto dos latino-americanos", acrescentou.

Dilma também disse que fazer acordo com a União Europeia, este ano, é prioridade da agenda externa do Mercosul. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ao ser questionada sobre pedido de saída do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, pelo senador Lindberg Farias (PT-RJ), Dilma respondeu que Levy é de sua confiança e seguirá no cargo.

Ela confirmou ainda que o contingenciamento do Orçamento será anunciado na sexta-feira e ressaltou que "nenhum contingenciamento paralisa o governo. O governo gasta menos com certas coisas". Segundo Dilma, "vamos fazer uma boa economia para que o País volte a crescer".

De acordo com a presidente, o programa de concessões de infraestrutura será lançado no dia 9 de junho.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email