Dirceu: Moro é ‘cisco no olho’ e instrumento de perseguição

O ex-ministro José Dirceu afirmou que Sérgio Moro é um "cisco" e atua como um "instrumento" para fazer perseguição política ao PT; "Meus companheiros de cela muitas vezes, pela inocência, se desesperaram, e eu falei: 'Está vendo esse cisco? É o Moro. Ele não é nada, é um instrumento. O aparato policial judicial é um aparato de perseguição política", disse

José Dirceu e Sergio Moro
José Dirceu e Sergio Moro (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-ministro José Dirceu, que aguarda em liberdade o julgamento do último recurso pelo Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), marcado para quinta-feira, 19, afirmou que Sérgio Moro é um "cisco" e atua como um "instrumento" para fazer perseguição política ao PT. Dirceu, que foi condenado a 30,9 anos de reclusão, pediu que os membros e a militância do partido não se preocupassem com ele, mas com a liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"Meus companheiros de cela muitas vezes, pela inocência, se desesperaram, e eu falei: 'Está vendo esse cisco?' É o Moro'. Ele não é nada, é um instrumento. O aparato policial judicial é um aparato de perseguição política. Não é só de criminalizar o PT, há setores que estão percebendo isso", disse Dirceu.

"Todo lugar é uma trincheira. Onde eu estiver, vou estar numa trincheira, mas sou como um de vocês: eu estou preocupado com Lula, não comigo. Vocês podem ver que eu me cuidei. Eu sou um soldado, temos que libertar o Lula. Temos que enfrentá-los e não baixar a cabeça. Eles têm que ter certeza de que vamos ressurgir das cinzas. Temos que ser implacáveis com eles. Eles não deixaram a gente governar, por que vamos deixar eles governar?", completou.

"Nosso principal inimigo é o sistema financeiro bancário, o rentismo e a Rede Globo. Vocês sabem que eu gosto de uma aliança, mas vamos precisar rever a forma petista de governar. A questão é como governar sem aderir à receita neoliberal. Os desafios são muitos, mas eu sou otimista. Nós precisamos tirar lições do que aconteceu no País", destacou.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email