Dirceu: Moro é ‘cisco no olho’ e instrumento de perseguição

O ex-ministro José Dirceu afirmou que Sérgio Moro é um "cisco" e atua como um "instrumento" para fazer perseguição política ao PT; "Meus companheiros de cela muitas vezes, pela inocência, se desesperaram, e eu falei: 'Está vendo esse cisco? É o Moro. Ele não é nada, é um instrumento. O aparato policial judicial é um aparato de perseguição política", disse

José Dirceu e Sergio Moro
José Dirceu e Sergio Moro (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-ministro José Dirceu, que aguarda em liberdade o julgamento do último recurso pelo Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), marcado para quinta-feira, 19, afirmou que Sérgio Moro é um "cisco" e atua como um "instrumento" para fazer perseguição política ao PT. Dirceu, que foi condenado a 30,9 anos de reclusão, pediu que os membros e a militância do partido não se preocupassem com ele, mas com a liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"Meus companheiros de cela muitas vezes, pela inocência, se desesperaram, e eu falei: 'Está vendo esse cisco?' É o Moro'. Ele não é nada, é um instrumento. O aparato policial judicial é um aparato de perseguição política. Não é só de criminalizar o PT, há setores que estão percebendo isso", disse Dirceu.

"Todo lugar é uma trincheira. Onde eu estiver, vou estar numa trincheira, mas sou como um de vocês: eu estou preocupado com Lula, não comigo. Vocês podem ver que eu me cuidei. Eu sou um soldado, temos que libertar o Lula. Temos que enfrentá-los e não baixar a cabeça. Eles têm que ter certeza de que vamos ressurgir das cinzas. Temos que ser implacáveis com eles. Eles não deixaram a gente governar, por que vamos deixar eles governar?", completou.

"Nosso principal inimigo é o sistema financeiro bancário, o rentismo e a Rede Globo. Vocês sabem que eu gosto de uma aliança, mas vamos precisar rever a forma petista de governar. A questão é como governar sem aderir à receita neoliberal. Os desafios são muitos, mas eu sou otimista. Nós precisamos tirar lições do que aconteceu no País", destacou.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247