Diretor de colégio militar é afastado após determinar revista íntima em estudantes

De acordo com os estudantes, a revista teria acontecido a última sexta-feira (18) e teria sido motivada pela suspeita de tráfico de drogas. Alunos teriam sido obrigados a ficarem nus diante dos policiais

Colégio Militar João Augusto Perillo
Colégio Militar João Augusto Perillo (Foto: Reprodução TV Anhanguera)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - As denúncias de que alunos do Colégio Militar João Augusto Perillo, na cidade de Goiás (GO), foram obrigados a ficarem nus e sofrerem revistas íntimas levou o Comando Geral da Polícia Militar a afastar o diretor e outros dois policiais que trabalhavam na unidade de ensino. 

Por meio de nota, o Governo do Estado de Goiás ressaltou que determinou "a imediata instauração de procedimento administrativo, objetivando apurar os fatos relatados pelos alunos submetidos à busca pessoal". A Superintendência Escolar, ligada à Secretaria de Educação, também está acompanhando o caso. 

De acordo com os estudantes, a revista teria acontecido a última sexta-feira (18) e teria sido motivada pela suspeita de tráfico de drogas. “Tinha uma policial no banheiro feminino e um policial no masculino. A gente tinha que tirar a roupa, abaixar cinco vezes. Eu mesmo sou uma das alunas que não quer ir para a escola pela vergonha que eu passei. Me senti invadida”, disse uma estudante que não quis se identificar ao G1 Goiás

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247