Dois anos depois, quase metade dos casos de morte violenta continua em aberto

Diante da comoção nacional com a morte da menina Ágatha, de 8 anos, por policiais no Rio após ser vítima de bala perdida, um levantamento aponta que, das 1.195 mortes violentas registradas de 21 a 27 de agosto de 2017, somente 22% dos mais de mil casos tiveram um ou mais suspeitos presos

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Diante da comoção nacional com a morte da menina Ágatha, de 8 anos, por policiais no Rio após ser vítima de bala perdida, um levantamento aponta que, das 1.195 mortes violentas registradas de 21 a 27 de agosto de 2017, quase a metade continua em investigação na polícia. Apenas um em cada cinco casos teve uma prisão efetuada, e menos de 5% já têm um condenado pelo crime. 

De acordo com a pesquisa feita pelo G1, do total de casos mencionados, a polícia não identificou os autores de 501 (42%). Somente 22% dos mais de mil casos,  tiveram um ou mais suspeitos presos. 

As estatísticas apontaram que 292 (24%) têm autores processados na Justiça. Das 1.195 mortes, 99 foram classificadas como suicídio pela polícia. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247