É preciso avisar a Bolsonaro que o Brasil aboliu a escravidão em 1888, diz Força Sindical

Força Sindical criticou, em nota, a declaração feita por Jair Bolsonaro sobre a necessidade de rever a legislação sobre trabalho escravo no Brasil e por um fim a expropriação de terras em que trabalhadores forem encontrados nesta situação. Para a central sindical, a manifestação de Bolsonaro “é um absurdo" e que "é preciso avisar o presidente da República que a escravidão foi abolida no Brasil em maio de 1888".

247 - A Força Sindical criticou, em nota, a declaração feita por Jair Bolsonaro sobre a necessidade de rever a legislação sobre trabalho escravo no Brasil e o fim da expropriação de terras em que trabalhadores forem encontrados nesta situação (leia no Brasil 247). Para a central sindical, a manifestação de Bolsonaro “é um absurdo e remete à ideia de Casa Grande e Senzala dos tempos antigos” e que "é preciso avisar o presidente da República que a escravidão foi abolida no Brasil em maio de 1888". 

De acordo com o texto assinado pelo presidente da Força Sindical, Miguel Torres, “a declaração atende a interesses espúrios de uma pequena parcela de maus empresários, principalmente do setor ruralista e do agronegócio”. 

“É bom ressaltar que a fragilização institucional da fiscalização acarretará aumento da escravidão contemporânea, uma das mais graves violações aos direitos humanos, com a exposição do Brasil a sanções comerciais internacionais”, completa o documento

Leia a íntegra da nota da Força Sindical sobre o assunto. 

A Direção da Força Sindical lamenta a nefasta declaração do presidente da República Jair Bolsonaro que criticou a Medida (Portaria) que manda expropriar propriedade que explorar trabalho análogo à escravidão.

Tal declaração é um absurdo e remete a ideia de Casa Grande e Senzala dos tempos antigos, demonstrando claramente que o atual ocupante do Palácio do Planalto desconhece a realidade do mundo do trabalho no País. É preciso avisar o presidente da República que a escravidão foi abolida no Brasil em maio de 1888.

Infelizmente, a  declaração atende a interesses espúrios de uma pequena parcela de maus empresários, principalmente do setor ruralista e do agronegócio. 

É bom ressaltar que a fragilização institucional da fiscalização acarretará aumento da escravidão contemporânea, uma das mais graves violações aos direitos humanos, com a exposição do Brasil a sanções comerciais internacionais. 

As entidades sindicais brasileiras, ao longo de muitas décadas, vêm promovendo inúmeras ações pelo fortalecimento do conceito de trabalho decente. No mundo globalizado, as normas do trabalho devem seguir as orientações da Organização Internacional do Trabalho – OIT, que defende o Trabalho Decente, cobra mais transparência nas relações capital e trabalho e uma melhor qualidade de vida para os trabalhadores em todo o mundo. 

Ressaltamos que qualquer mudança nas normas trabalhistas deve ser amplamente debatida nas comissões tripartites de forma democrática e transparente. 

Miguel Torres
Presidente da Força Sindical

Conheça a TV 247

Mais de Brasil

Ao vivo na TV 247 Youtube 247