Eduardo nega nepotismo em indicação e diz que sabatina provará que está pronto para ser embaixador

Em meio à polêmica de sua indicação para assumir a embaixada do Brasil em Washington, Eduardo Bolsonaro disse que a sabatina a que será submetido pelo Senado será “um bom momento” para provar” que está preparado para ocupar o cargo. Em nova demonstração de submissão aos EUA, ele também atacou o PT ao afirmar que este será o momento de “estreitar essas relações com os EUA após anos do Brasil virando as costas para o governo norte americano, principalmente durante o período dos governos do PT”

(Foto: Reprodução/Twitter)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em meio à polêmica de sua indicação para assumir a embaixada do Brasil em Washington, o deputado federal Eduardo Bolsonaro, disse que sabatina a que será submetido pelo Senado será “um bom momento” para provar” que está preparado para ocupar o cargo. Ele também atacou o PT ao afirmar que este será o momento de “estreitar essas relações com os EUA após anos do Brasil virando as costas para o governo norte americano principalmente durante o período dos governos do PT”. 

Para o parlamentar, a indicação para o cargo, feita pelo pai, Jair Bolsonaro, não configura nepotismo. “ Estou confiante, estou esperançoso, mas depende do Senado Federal neste momento, já que o presidente fez a indicação, fui aprovado no agrément. Pela parte dos Estados Unidos, eles não enxergam problema nenhuma nessa minha indicação, a sumula vinculante do STF é bem clara, inexiste a possibilidade de nepotismo”, disse.

Nesta terça-feira, Jair Bolsonaro disse que poderia rever a indicação do filho para um dos mais altos postos diplomáticos do país caso não tivesse o apoio da maioria dos senadores. Segundo ele, Eduardo não poderia ser submetido a um “fracasso”. Nesta quarta-feira (21), porém, ele voltou atrás e disse que a indicação estava mantida. 

PUBLICIDADE

Para o parlamentar, as críticas à sua indicação são uma espécie de “terceiro turno eleitoral” promovido pela imprensa. “O que ele colocou ali: uma parte da imprensa tenta fazer um terceiro turno das eleições, tentar prejudicar o presidente através de uma interpretação totalmente contrária. Jair Bolsonaro não conversou comigo sobre qualquer eventual, possível, possibilidade de talvez recusa, isso aí nunca existiu”, afirmou. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247