“Em 2017, insatisfação pode virar contra o Supremo”

O filósofo e cientista político Marcos Nobre avalia que a instabilidade política iniciada em 2015 continua e que a operação Lava Jato continua ditando o ritmo da vida nacional; ele traça um horizonte nebuloso para 2017, em que até o Supremo Tribunal Federal (STF) pode se ver no centro da insatisfação popular; "No momento em que a Corte e as instâncias superiores foram concordando com os procedimentos controversos da Lava Jato, passaram a mensagem de que esse procedimento vale lá também. Como o STF vai fazer para julgar tudo o que vai chegar lá no ano que vem? O risco é que o sentimento de insatisfação que virou contra o Renan, que pode virar contra o Temer, também pode virar contra o STF", afirma; Nobre diz que se o STF não se preparar, "vai ser apedrejado"

O filósofo e cientista político Marcos Nobre avalia que a instabilidade política iniciada em 2015 continua e que a operação Lava Jato continua ditando o ritmo da vida nacional; ele traça um horizonte nebuloso para 2017, em que até o Supremo Tribunal Federal (STF) pode se ver no centro da insatisfação popular; "No momento em que a Corte e as instâncias superiores foram concordando com os procedimentos controversos da Lava Jato, passaram a mensagem de que esse procedimento vale lá também. Como o STF vai fazer para julgar tudo o que vai chegar lá no ano que vem? O risco é que o sentimento de insatisfação que virou contra o Renan, que pode virar contra o Temer, também pode virar contra o STF", afirma; Nobre diz que se o STF não se preparar, "vai ser apedrejado"
O filósofo e cientista político Marcos Nobre avalia que a instabilidade política iniciada em 2015 continua e que a operação Lava Jato continua ditando o ritmo da vida nacional; ele traça um horizonte nebuloso para 2017, em que até o Supremo Tribunal Federal (STF) pode se ver no centro da insatisfação popular; "No momento em que a Corte e as instâncias superiores foram concordando com os procedimentos controversos da Lava Jato, passaram a mensagem de que esse procedimento vale lá também. Como o STF vai fazer para julgar tudo o que vai chegar lá no ano que vem? O risco é que o sentimento de insatisfação que virou contra o Renan, que pode virar contra o Temer, também pode virar contra o STF", afirma; Nobre diz que se o STF não se preparar, "vai ser apedrejado" (Foto: Valter Lima)

247 - O filósofo e cientista político Marcos Nobre avalia, em entrevista ao El País, que a instabilidade política iniciada em 2015 continua e que a operação Lava Jato continua ditando o ritmo da vida nacional. Ele traça um horizonte nebuloso para 2017, em que até o Supremo Tribunal Federal (STF) pode se ver no centro da insatisfação popular. 

"O que quero dizer é que o STF terá problemas pela frente. No momento em que a Corte e as instâncias superiores foram concordando com os procedimentos controversos da Lava Jato, passaram a mensagem de que esse procedimento vale lá também. Como o STF vai fazer para julgar tudo o que vai chegar lá no ano que vem? O risco é que o sentimento de insatisfação que virou contra o Renan, que pode virar contra o Temer, também pode virar contra o STF", afirma.

Para ele, "acho que o STF vai receber uma bola de Curitiba que não está preparado para lidar". "Se não se preparar, vai ser apedrejado. Não existe nenhuma figura, ou instituição, hoje que seja incontroversa", diz.

Confira a entrevista na íntegra aqui.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247