Em meio a bloqueios de recursos, governo gasta R$ 1,6 mi com medalhas

Nos primeiros meses do governo Jair Bolsonaro, os ministérios das Relações Exteriores, da Defesa, Exército, Marinha, Aeronáutica e Escola Superior de Guerra fizeram mais de 50 tipos diferentes de condecorações, da Medalha do Pacificador à Medalha Sangue do Brasil. O custo para confecção delas foi de R$ 1,6 milhão até abril ou junho de 2019, a depender do órgão

(Foto: Alan Santos - PR)

247 - Em seus primeiros meses de governo, Jair Bolsonaro, egresso a carreira militar, deu impulso ao gasto para confecção de um apetrecho caro à caserna, as medalhas. Os ministérios das Relações Exteriores, da Defesa, Exército, Marinha, Aeronáutica e Escola Superior de Guerra têm mais de 50 tipos diferentes de condecorações, da Medalha do Pacificador à Medalha Sangue do Brasil. O custo para confecção delas foi de R$ 1,6 milhão nos primeiros meses de 2019. Os dados vão até abril ou junho, a depender do órgão.

O desembolso para as medalhas supera, proporcionalmente, os feitos em 2017 e 2018, se assemelhando aos de 2016 (R$ 3,7 milhões) caso sigam no mesmo ritmo até o fim do ano. Os valores foram obtidos pelo jornal Folha de S.Paulo por meio da Lei de Acesso à Informação.

Em abril, por exemplo, o ocupante do Planalto concedeu ao seu guro, o escritor Olavo de Carvalho, o mais alto grau da Ordem de Rio Branco, do Itamaraty, condecoração dada pelo governo do Brasil para "distinguir serviços meritórios e virtudes cívicas, estimular a prática de ações e feitos dignos de honrosa menção".

Na mesma ocasião, foram agraciados, com medalhas de grau inferior, os filhos Flavio (senador) e Eduardo (deputado federal), ministros, governadores e congressistas aliados, entre eles o deputado federal Helio Negão (PSL-RJ), espécie de sombra do presidente da República.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247