Em meio a rumores de saída de Moro, Heleno tenta explicar proposta de desmembrar ministério

“A proposta de recriar o Ministério da Segurança Pública não é do presidente Jair Bolsonaro, e sim da maioria dos secretários de Segurança estaduais", disse o general

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno
O ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O general Augusto Heleno, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, disse em sua página no Twitter que a proposta de dividir a pasta do Ministério da Justiça e Segurança Pública não é de Jair Bolsonaro. A declaração do general vem após rumores de que Moro deixaria o governo, caso seu superministério fosse desmembrado.

“A proposta de recriar o Ministério da Segurança Pública não é do presidente Jair Bolsonaro, e sim da maioria dos secretários de Segurança estaduais, que estiveram em Brasília nesse 22 de janeiro. Em nenhum momento, o presidente disse apoiar tal iniciativa”, escreveu Heleno.

Segundo ele, Bolsonaro apenas pediu a seus ministros e assessores, que estudassem o tema e aproveitou para fazer ataque contra o PT e insuflar as milícias digitais, que estavam criticando a proposta.

“Foi esse capitão que, com risco da própria vida, evitou a volta do PT ao governo com Haddad. Esses críticos de plantão nunca fizeram 1% do que foi feito por Bolsonaro. Durante 28 anos, na Câmara, ele conheceu o sistema por dentro e se preparou para derrotá-lo. Isso tudo sozinho”, escreveu, apelando para a emoção.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247