Em meio ao inferno das queimadas, Salles fala em "monetizar" a Amazônia

Em meio ao repúdio mundial decorrente dos incêndios florestais que consomem a Amazônia há cerca de 20 dias, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, defendeu a “monetização” da floresta como forma de “salvá-la”. “Queremos mostrar que, se os investimentos chegarem, e se distribuirmos esses investimentos para as pessoas que vivem lá, eles vão manter a floresta tropical, e não se envolver em mineração ilegal ou exploração madeireira “, disse Salles ao jornal britânico Financial Times

247 - Em meio ao repúdio mundial decorrente dos incêndios florestais que consomem a Amazônia há cerca de 20 dias, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, defendeu a “monetização” da floresta como forma de “salvá-la”. “Queremos mostrar que, se os investimentos chegarem, e se distribuirmos esses investimentos para as pessoas que vivem lá, eles vão manter a floresta tropical, e não se envolver em mineração ilegal ou exploração madeireira “, disse Salles em entrevista ao jornal britânico Financial Times

As queimadas na região, que alcançaram o maior número dos últimos 7 anos, vêm na esteira do desmonte dos órgãos de fiscalização ambiental e do incentivo à expansão do agronegócio e de atividades de mineração, inclusive em áreas protegidas, promovidos pelo governo Jair Bolsonaro 

“O fato é que leis e regulamentos que foram promulgados e usados nos últimos 10 ou 20 anos foram muito restritivos para o desenvolvimento das áreas da Amazônia. É por isso que as pessoas vão para as atividades ilegais, para as atividades criminosas, porque não têm espaço para fazer algo dentro da lei”, disse Salles. 

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247