Em meio aos incêndios na Amazônia, CCJ pauta exploração agropecuária em terras indígenas

Presidente da CCJ da Câmara, Felipe Francischini, pautou para esta terça-feira (27) a votação da PEC que permite a exploração agropecuária em terras indígenas. A PEC será apresentada em meio à repercussão mundial causada pelo crescimento das queimadas na Amazônia em função do incentivo ao agronegócio e do discurso contra o meio ambiente promovido pelo governo Jair Bolsonaro

Felipe Francischini
Felipe Francischini (Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, Felipe Francischini (PSL-PR), pautou para esta terça-feira (27) a votação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que permite a exploração agropecuária em terras indígenas. Francischini, assim com Jair Bolsonaro, defende a tese de que é preciso ocupar a região da Amazônia para garantir a sua soberania. A PEC será apresentada em meio à repercussão mundial causada pelo crescimento das queimadas na Amazônia em função do incentivo ao agronegócio e do discurso contra o meio ambiente promovido pelo governo Jair Bolsonaro. 

Segundo reportagem da Coluna do Estadão, o texto favorável do deputado Alceu Moreira (MDB-RS), que integra a bancada ruralista, destaca que a demarcação de terras indígenas “não dá dignidade ao índio, que vive de “esmola” ou de programas de transferência de renda”. Para a deputada Talíria Petrone (PSL-RJ), que votou contra a proposta, a PEC “restringe ao agronegócio as atividades permitidas aos índios, que exploram ainda o artesanato e a pesca”.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247