Em nota, MEC censura professores, alunos e até os pais a participar de atos

Em nota divulgada na tarde desta quinta-feira (30), o Ministério da Educação afirma, sem nenhum amparo legal, que "professores, servidores, funcionários, alunos, pais e responsáveis não são autorizados a divulgar e estimular protestos"; diante do novo tsunami de protestos, o ministro Abraham Weintrab tenta criar uma narrativa que coloque os atos contra os cortes na Educação como ilegais

Em nota, MEC censura professores, alunos e até os pais a participar de atos
Em nota, MEC censura professores, alunos e até os pais a participar de atos (Foto: Geraldo Magela/Agência Senado)

247 - O Ministério da Educação divulgou nota na tarde desta quarta-feira (30) em que afirma que "professores, servidores, funcionários, alunos, pais e responsáveis não são autorizados a divulgar e estimular protestos" e voltou a pedir que sejam feita "denúncias" à ouvidoria do ministério.

Ignorando o direito constitucional de livre manifestação, e sem nenhum amparo legal para emitir tal determinação, a nota demonstra que a estratégia do ministro Abraham Weintrab é tentar criar uma narrativa que coloque os atos contra os cortes na Educação como ilegais.

A medida é uma tentativa de conter as manifestações que tomam conta do país pela segunda vez. O primeiro dia de protestos aconteceu em 15 de maio.

Além de vetar a divulgação das manifestações em horário escolar, o ministério também diz em nota que servidores públicos que participarem dos eventos podem ter o ponto cortado.

“Vale ressaltar que os servidores públicos têm a obrigatoriedade de cumprir a carga horária de trabalho e podem ter o ponto cortado em caso de falta injustificada. Ou seja, os servidores não podem deixar de desempenhar suas atividades nas instituições de ensino para participarem desses movimentos”, completa.

 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247