Em nova fase da Acrônimo, PF mira BNDES

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira nova etapa da operação Acrônimo para investigar suspeita de pagamento de propina por uma empreiteira que buscava financiamento do BNDES para projetos no exterior e também uma suposta organização criminosa que fraudava licitações no Ministério da Saúde

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira nova etapa da operação Acrônimo para investigar suspeita de pagamento de propina por uma empreiteira que buscava financiamento do BNDES para projetos no exterior e também uma suposta organização criminosa que fraudava licitações no Ministério da Saúde
A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira nova etapa da operação Acrônimo para investigar suspeita de pagamento de propina por uma empreiteira que buscava financiamento do BNDES para projetos no exterior e também uma suposta organização criminosa que fraudava licitações no Ministério da Saúde (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

(Reuters) - A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira nova etapa da operação Acrônimo para investigar suspeita de pagamento de propina por uma empreiteira que buscava financiamento do BNDES para projetos no exterior e também uma suposta organização criminosa que fraudava licitações no Ministério da Saúde.

A 8ª fase da operação, que se refere a dois inquéritos policiais separados, visa cumprir 11 mandados de condução coercitiva e 9 de busca e apreensão nos Estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro, além do Distrito Federal, informou a PF em comunicado.

Na investigação que diz respeito ao BNDES, a PF investiga a interposição de uma empresa na negociação e pagamento de vantagens indevidas a agente público para obtenção de financiamentos de projetos em países como República Dominicana, Angola, Cuba, Panamá, Gana e México no interesse de uma grande empreiteira, de acordo com a polícia.

A operação Acrônimo foi deflagrada inicialmente em maio de 2015 para investigar suspeita de desvio de recursos públicos para a campanha de 2014 do governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, que foi ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior do governo da ex-presidente Dilma Rousseff.

O governador mineiro foi denunciado em maio pela PGR por suspeita de conceder benefícios tributários em troca de propina quando era ministro. De acordo com a PGR, Pimentel foi denunciado "por solicitar e receber vantagens indevidas para gerar benefício tributário à empresa Caoa Montadora de Veículos", recebendo pouco mais de 2 milhões de reais de forma ilegal.

A PF realizou também nesta semana a 7ª fase da operação Acrônimo, quando cumpriu mandado de condução coercitiva contra o empresário Felipe Torres, sobrinho e sócio de Pimentel em um restaurante.

(Por Pedro Fonseca, no Rio de Janeiro)

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247