Empresário de Roraima impõe condições de trabalho análogas à de escravo a venezuelanos

A Polícia Federal prendeu, em Roraima, um empresário acusado de submeter imigrantes venezuelanos a trabalhos análogos à escravidão. Ele também é suspeito de aliciar mulheres vindas do país vizinho para serem exploradas sexualmente em outros estados brasileiros

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Polícia Federal prendeu em Boa Vista, em Roraima, um empresário acusado de submeter imigrantes venezuelanos a trabalhos análogos à escravidão, sem dias de folga, com jornadas de 12 horas e pagamentos entre R$ 5 e R$ 10 por dia, ou até nada.

O empresário, cuja identidade não foi divulgada, também é suspeito de aliciar mulheres vindas do país vizinho para serem exploradas sexualmente em outros estados brasileiros. 

Em Pacaraima, oito trabalhadores foram resgatados, mas as suspeitas é de que pelo menos 40 imigrantes.

A denúncia chegou a polícia porque trabalhadores conseguiram fugir dos cateiros de obras onde eram mantidos e relatar o esquema. Segundo os depoimentos, os salários – quando pagos – variavam entre R$ 10 para adultos e R$ 5 para adolescentes por dia de trabalho. Em muitos casos, mulheres trabalhavam sem ser pagas.

Com informação do site Metrópoles.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247