Equipe de Pazuello pediu adoção de “meio-termo” em lockdown às vésperas de colapso em Manaus

Reunião da equipe do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, com o governo do Amazonas ocorreu no dia 10, quatro dias antes do sistema de saúde de Manaus entrar em colapso e pacientes com Covid-19 morrerem por falta de oxigênio hospitalar

Mobilização da sociedade tenta superar desabastecimento de oxigênio em hospitais de Manaus
Mobilização da sociedade tenta superar desabastecimento de oxigênio em hospitais de Manaus (Foto: Marcio James / Amazônia Real)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Quatro dias antes do sistema de saúde de Manaus (AM) entrar em colapso, integrantes da equipe do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, pediram que o governo do estado adotasse um “meio-termo” nas medidas restritivas adotadas para conter o avanço da Covid-19 do estado, algo diferente do lockdown. Segundo reportagem do  jornal O Globo, o assunto foi discutido em uma reunião no dia 10 de janeiro. 

No dia 14, os hospitais colapsaram e a fata de oxigênio hospitalar levou à morte por sufocamento diversos pacientes internados em e estado grave. De acordo com o Ministério Público Federal (MPF) ao menos 29 pessoas teriam morrido por falta de oxigênio. 

Pressionado, o governador Wilson Lima assinou na mesma data um decreto impondo medidas menos severas que o lockdown, como o toque de recolher entre 19h e 6h. As assessorias do Governo do Amazonas e do Ministério da Saúde não negaram a realização da reunião, mas não responderam aos questionamentos sobre os assuntos específicos tratados na ocasião. 

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email