Escândalo abre caminho para rediscussão sobre prisão em segunda instância

A revelação de que Sergio Moro e Deltan Dallagnol manipularam a Operação Lava Jato abriu caminho à rediscussão de ações que questionam a prisão em segunda instância; membros da OAB receberam sinais de que Dias Toffoli, presidente do STF, pode pautar o assunto no segundo semestre

Escândalo abre caminho para rediscussão sobre prisão em segunda instância
Escândalo abre caminho para rediscussão sobre prisão em segunda instância (Foto: Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A revelação de que Sergio Moro e Deltan Dallagnol manipularam a Operação Lava Jato abriu caminho à rediscussão de ações que questionam a prisão em segunda instância. Membros da OAB receberam sinais de que Dias Toffoli, presidente do STF, pode pautar o assunto no segundo semestre.

A manipulação da Operação Lava Jato com fins políticos e eleitorais para prender Lula e facilitar a eleição de um governo de extrema-direita está movendo estruturas nos bastidores políticos e do Poder Judiciário. Lideranças de partidos políticos voltaram a falar no projeto que pune o abuso de autoridade, informa a coluna Painel da Folha de S.Paulo.

A direção das duas Casas Legislativas decidiu aguardar novos desdobramentos e revelações de bastidores da Lava Jato para fazer tramitar o projeto que condena o abuso de autoridade.

Uma das propostas é inserir no projeto sobre abuso trecho que reproduza, ao menos em parte, proposta que consta no pacote anticrime de Moro e que veda a indicação ao STF "de quem tenha, nos quatro anos anteriores, ocupado mandato eletivo federal ou cargo de Procurador-Geral, AGU ou ministro de Estado", informa a coluna.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247