Esquivel diz que dar a Lula o Nobel da Paz é importante para tirá-lo da prisão

O Prêmio Nobel da Paz de 1980, Adolfo Perez Esquivel, o primeiro promotor da candidatura do ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva a esse prêmio, foi nomeado enquanto preso durante a vigência da ditadura argentina; "Isso ajudou minha libertação e espero o mesmo efeito para Lula. Temo por sua vida porque o judiciário brasileiro e o poder político de hoje não dão garantias"; Esquivel se diz confiante em que o Comitê do Nobel tem consciência crítica e valores para dar o Prêmio Nobel da Paz a Lula: "Isto seria fazer justiça e fortalecer as instituições democráticas profundamente danificadas"

Esquivel diz que dar a Lula o Nobel da Paz é importante para tirá-lo da prisão
Esquivel diz que dar a Lula o Nobel da Paz é importante para tirá-lo da prisão

247, com Público, por María Iglesias - O Prêmio Nobel da Paz de 1980, Adolfo Perez Esquivel, o primeiro promotor da candidatura do ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva a esse prêmio, foi nomeado enquanto preso durante a vigência da ditadura argentina. "Isso ajudou minha libertação e espero o mesmo efeito para Lula. Temo por sua vida porque o judiciário brasileiro e o poder político de hoje não dão garantias". "Estou confiante em que o Comitê do Nobel tem consciência crítica e valores para dar o Prêmio Nobel da Paz a Lula porque isto seria fazer justiça e fortalecer as instituições democráticas profundamente danificadas", afirmou o Prêmio Nobel da Paz argentino, Adolfo Perez Esquivel, em entrevista a María Iglesias, no jornal Público. "

Por que promovem a candidatura de Lula ao Prêmio Nobel da Paz de 2019?

Porque Lula sempre trabalhou para os setores mais populares, os mais pobres. Ele tirou 36 milhões de brasileiros e brasileiros da miséria extrema. Com políticas sociais contra a fome e a pobreza, mas também dando-lhes educação, saúde, condições dignas de vida. É por isso que o atacaram tanto por trabalhar com os setores sempre explorados pelos latifundiários. E esses avanços na alimentação, na saúde e nas condições de vida são reconhecidos pela FAO, da qual sou membro e pela UNESCO. Durante seu governo houve um avanço no desenvolvimento do povo brasileiro que transformou o país na quinta potência mundial e estes são méritos que contribuem para a paz. Além disso, ele trabalhou pelo entendimento, a solidariedade dos povos da América Latina, África e Ásia.

Quando surgiu a ideia?

Eu falei com ele antes que ele fosse preso, mas ... Já ouviram falar sobre Lawfare na Espanha? Sobre a campanha para usar a justiça a serviço de interesses políticos? No caso do Brasil, o juiz Sergio Moro afastou Lula do processo eleitoral e, por sua vez, foi nomeado Ministro da Justiça e Segurança Pública. Mas em muitos outros países [a Lawfare] está em curso para tirar os presidentes progressistas do caminho: Fernando Lugo, no Paraguai, Manuel Zelaya em Honduras ... Eu acredito na justiça, mas não no poder judiciário atual. A advogada coordenadora do grupo jurídico que defende Lula, Carol Proner, entregou ao Papa Francisco um informe sobre esta Lawfare, sobre como as leis são usadas para condicionar e submeter ao poder político.

Você acaba de declarar que teme pela vida de Lula, após a negação de permissão para ir ao funeral de seu irmão. Em que sentido você teme?

Eu não acredito no atual governo brasileiro, nem em seu atual sistema judiciário. Não há garantia sobre a vida de Lula e esse é o medo e a preocupação que temos. Porque eles agem com absoluta impunidade, tanto no poder judiciário quanto no político. E isso me faz temer pela vida de Lula.

Em que ponto está a candidatura ao Nobel? Que sentimento tem?

Em outubro passado, apresentei a proposta ao comitê do Nobel, acompanhada de quatrocentas assinaturas de personalidades internacionais, incluindo Noam Chomsky, Leonardo Boff e organizações latino-americanas, americanas e europeias. Mais tarde fizemos uma campanha de assinaturas (até 31 de janeiro, com mais de meio milhão de assinaturas) e o pedido a indivíduos e entidades para enviar cartas ao Comitê Nobel apoiando a proposta. Em outubro a concessão será conhecida, mas qual meu meu sentimento? Espero que concedam o prêmio a Lula porque seria justo e porque fortaleceria as instituições democráticas profundamente prejudicadas no Brasil.

Lula foi presidente do Brasil de 2003 a 2010. A candidatura em 2019 é uma ferramenta para promover sua libertação?

Isso seria importante. No meu caso, eu estava na prisão quando a campanha começou em favor da minha nomeação como Prêmio Nobel da Paz em 1980. E a candidatura não ajudou mais a minha libertação. Já o Nobel ... Nessa linha seria bom que Lula possa continuar fazendo contribuições para o seu povo. Que o juiz que o condena, Sérgio Moro, seja o atual ministro da Justiça e Segurança do Brasil, não é garantia de imparcialidade, mas, ao contrário, prova de que havia um objetivo político direto para tirá-lo das eleições presidenciais.

Desde quando você conhece Lula e qual é o seu relacionamento?

Eu o conheço há mais de quarenta anos, quando ele era um líder sindical dos metalúrgicos de São Paulo. Ele vem das comunidades eclesiais de base, da época do cardeal Paulo Evaristo Arns, homem de visão ecumênica, fé e compromisso social. E lá eu conheci o Lula, quando éramos jovens. Mesmo assim ele estava pensando em um partido político e é daí que vem o Partido dos Trabalhadores (PT). E ele sempre teve ética, valores. Ele não chegou ao governo porque estava interessado em poder. Ele sempre foi um homem com convicções profundamente sociais e espirituais.

Você ganhou o Prêmio Nobel em 1980 pelo ativismo contra a ditadura argentina e hoje declara que "o intervencionismo americano também é responsável pela prisão de Lula". Você vê paralelismo entre a situação na América Latina na época e agora?

Sim Sim. É terrível o que os EUA estão fazendo. Não permitem que nenhum país da América Latina saia de sua órbita. Desde todas as votações da ONU para levantar o bloqueio a Cuba, em que os únicos a se opor são os EUA e Israel, à situação atual com a Venezuela e o que já aconteceu no Paraguai e em Honduras. Existe uma política de opressão dos Estados Unidos. Eles impuseram as ditaduras latino-americanas dos anos 1970 e 1980 com sérias violações dos direitos humanos em todo o continente por meio de sua doutrina de segurança nacional. As pessoas têm que lembrar e não se deixar enganar pela mídia tradicional.

A candidatura de Lula foi considerada em 2009. Mesmo Obama disse "é o cara". Agora o Nobel pode preferir alguém menos de esquerda, no atual contexto?

Nós vamos ter que ver. Mas espero que o Comitê do Nobel tenha uma consciência crítica e valores para poder decidir. Espero que o comitê do Nobel aja conscientemente.

Você acha que Lula é o maior preso político hoje, como Dilma Rousseff disse na Espanha?

Sim, claro que sim. Ele é o maior preso político atual no mundo. Ele sofre uma enorme injustiça. Eu o visitei na prisão em abril do ano passado, com Leonardo Boff, Celso Amorim, Fernando Haddad e os advogados de Lula. Mas na última vez que estive com ele na prisão, em agosto, ele me disse: "Eu só quero que você reconheça que sou inocente". Esta foi uma manobra política para tirá-lo do caminho. O atual ministro e então juiz Sergio Moro foi o arquiteto disso, com apoio dos EUA.

Você acha que se em outubro o Nobel fosse concedido a Lula, ele poderia participar, ele seria liberado para entrega em dezembro?

Eu não sei se eles iriam libertá-lo ... Você se lembra de Aung San Suu Kyi, a ganhadora do Prêmio Nobel de Mianmar? Eles lhe deram o prêmio enquanto estava presa e depois tiveram que libertá-la ...

Mas Liu Xiabo morreu preso na China sete anos depois do Prêmio Nobel

Isso é verdade, ele morreu na prisão ... Mas temos que fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para libertar Lula e reconhecer seu trabalho, sua luta contra a fome e a pobreza.

Que análise faz sobre o auge neofascista, a involução global dos direitos humanos globais?

Estou ciente de que não apenas a América Latina, mas também a Europa está agora em uma situação difícil porque estão perdendo o estado de bem-estar, aumentando o desemprego e a pobreza. Mas, o importante antes disso, é que as pessoas se unem com objetivos comuns. Nem todos concordamos com tudo, é claro. Mas deve ser possível encontrar eixos orientadores nos quais concordamos em sair ... Você se sentiu lá, para citar Leopoldo Marechal? Ele escreve: "Estamos vivendo um labirinto. Mas do labirinto se sai ... por cima". É preciso olhar para o céu, a consciência e a esperança".

Fonte: Público

Conheça a TV 247

Mais de Brasil

Ao vivo na TV 247 Youtube 247