Estudantes tomam as ruas do Brasil e Weintraub, o ministro da ignorância, é vaiado na Câmara

Nesta histórica quarta-feira 15, mais de 1 milhão de pessoas foram ou estão nas ruas do País em manifestações em defesa da Educação; protestos ocorreram em mais de 160 cidades, incluindo as 27 capitais; enquanto isso, na Câmara, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, colocou a culpa do corte de gastos da Educação na presidente Dilma Rousseff, que há três anos deixou o poder por meio de um golpe; "O sonho das pessoas é colocar os filhos na educação privada, não na pública", disse o ministro, sendo vaiado pela oposição

www.brasil247.com - Estudantes tomam as ruas do Brasil e Weintraub, o ministro da ignorância, é vaiado na Câmara
Estudantes tomam as ruas do Brasil e Weintraub, o ministro da ignorância, é vaiado na Câmara


247 - Nesta quarta-feira (15) histórica para o País, em que estudantes, professores e trabalhadores da Educação tomaram as ruas de todas as capitais do País e em mais de 100 cidades em protestos contra a política de desmonte da educação pública, promovida pelo governo de Jair Bolsonaro, o seu ministro da Educação, Abraham Weintraub, é vaiado durante audiência na Câmara dos Deputados. 

Weintraub insistiu em vários momentos que muitos brasileiros não sabem ler ou fazer interpretações. "A gente consegue dizer que hoje o Brasil é uma nação de pessoas que conseguem ler o ônibus que está vindo", declarou. "As nossas crianças não aprendem a ler na escola. A gente tem um índice muito grande de onda de fracasso", acrescentou.

O ministro teve de desfaçatez de atribuir à presidente deposta Dilma Rousseff a responsabilidade pelo contingenciamento de recursos que está paralisando a pesquisa e o ensino superior no País. "O orçamento atual foi feito pelo governo eleito Dilma Rousseff e Michel Temer, que era vice. Nós não votamos neles. Não somos responsáveis pelo desastre da educação brasileira. O sonho das pessoas é colocar os filhos na educação privada, não na pública", declarou, recebendo vaias da oposição na Câmara. 

Leia, abaixo, reportagem da Rede Brasil Atual sobre as manifestações que tomaram o País nesta quarta-feira (15):

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mais de 1 milhão de pessoas participam de mobilizações em defesa da educação

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O Dia Nacional de Greve na Educação contra o corte de 30% do orçamento federal da área mobilizou mais de 1 milhão de pessoas em manifestações em cidades de todos os estados e no distrito federal, apenas na manhã desta quarta-feira (15), segundo balanço dos organizadores. Os protestos seguem no período da tarde.

A iniciativa do governo Bolsonaro revoltou professores, pesquisadores, trabalhadores e estudantes de escolas públicas, universidades e institutos federais. "As medidas do governo Bolsonaro são um ataque aos municípios, aos estados, à população. Sem investimento na educação não há desenvolvimento", afirmou o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Heleno Araújo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O corte atinge as verbas discricionárias, utilizadas para pagamento de despesas de funcionamento, serviços terceirizados, restaurantes universitários, água, energia, internet, entre outras. A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) teve de bloquear 4.798 bolsas de pesquisa. Após muita pressão de pesquisadores e cientistas, 1.224 bolsas foram liberadas. Em visita a Dallas, nos Estados Unidos, Bolsonaro declarou que os manifestantes são "idiotas úteis" e "massa de manobra".

"Ao chamar o educador de um 'idiota útil', o presidente mostra o quanto ele desrespeita a profissão que é responsável por formar os demais profissionais e não tem noção do papel desta categoria na formação dos brasileiros", afirmou Araújo. A pauta de reivindicações da mobilização também inclui o fim do patrulhamento ideológico nas universidades, dos sucessivos cortes nas políticas educacionais e da ameaça de acabar com a vinculação constitucional que assegura recursos para a educação, defendida pelo ministro da Economia Paulo Guedes. Os atos pacíficos também são uma prévia para a greve geral dos trabalhadores contra a reforma da previdência, marcada para o dia 14 de junho.

Segundo a CNTE, mais de 50 mil educadores e estudantes estão protestando na Esplanada dos Ministérios, em Brasília. Em Curitiba, pelo menos 20 mil estudantes e trabalhadores em educação tomaram as ruas em defesa da educação. Em Belo Horizonte, são cerca de 250 mil manifestantes. Na Bahia, a estimativa é que há 50 mil pessoas participando do ato em Salvador. Além de manifestações em todas as capitais, há registro de protestos em 122 cidades desde o início da manhã.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No estado de São Paulo, por exemplo, houve manifestações de estudantes secundaristas na região da Avenida Paulista – palco da manifestação da tarde – e na USP e está programada uma grande manifestação para o período da tarde, com concentração às 14h. Também houve protestos em Campinas, Sorocaba, Santos Bauru, Araraquara, Rio Claro, São Carlos e Boituva. Ainda no interior, estudantes da USP e da Unesp fizeram atos em Ribeirão Preto, Jaboticabal e Presidente Prudente. Em Mogi das Cruzes, Itaquaquecetuba e Suzano, na região metropolitana, também houve atos de docentes e alunos.

No Rio de Janeiro, a capital registrou protestos no Colégio Pedro II, na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), na Universidade Estadual da Zona Oeste (Uezo) e na Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Também houve atos em Petrópolis, Teresópolis e Nova Friburgo. Em Fortaleza, no Ceará, estudantes de instituições federais bloquearam a Avenida da Universidade. Juazeiro do Norte, Tauá, Crato, Sobral Cedro, Iguatu, Canindé, Crateús, Quixadá e outras cidades do interior do estado também tiveram mobilização de estudantes e professores.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email