Ex-assessor de Flávio Bolsonaro, que movimentou R$ 1,2 mi, mora em casa pobre no Rio

Apontado pelo Coaf como responsável pela movimentação incomum de R$ 1,2 milhão apenas em 2016 o policial militar Fabrício José Carlos de Queiroz, ex-assessor do deputado estadual Flávio Bolsonaro, filho de Jair Bolsonaro, mora em uma casa pobre e sem pintura, localizada em uma viela no Rio de Janeiro; na casa do homem de R$ 1,2 milhão, os fios e canos são expostos; se fosse dono do dinheiro, Fabrício Queiroz seria um milionário; o "faz tudo" do clã Bolsonaro está sumido

www.brasil247.com - Ex-assessor de Flávio Bolsonaro, que movimentou R$ 1,2 mi, mora em casa pobre no Rio
Ex-assessor de Flávio Bolsonaro, que movimentou R$ 1,2 mi, mora em casa pobre no Rio


247- Apontado pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras  (Coaf) como responsável pela movimentação atípica de R$ 1,2 milhão apenas no ano de 2016, o policial militar Fabrício José Carlos de Queiroz, ex-assessor do deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL), filho do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), mora em uma casa simples, pobre, na zona oeste do Rio. Se fosse dono do dinheiro, Fabrício Queiroz seria um milionário. O "faz tudo" do clã Bolsonaro está sumido.

De acordo com o jornal O Globo, Queiroz reside em uma casa sem pintura externa, localizada em uma viela no bairro da Taquara. A residência, que fica em uma espécie de conjunto habitacional com cerca de 70 unidades, é colada com os demais imóveis e os fios e canos são expostos. Na casa do ex-assessor, a única lembrança da campanha eleitoral de outubro é um adesivo rasgado com as fotos de Bolsonaro ao lado do filho.

De acordo com o Coaf, Queiroz teria recebido repasses de oito funcionários e ex-funcionários do gabinete de Flávio Bolsonaro. O documento foi anexado à Operação Furna da Onça, que prendeu deputados estaduais do Rio sob a suspeita de corrupção. O Ministério Público também abriu procedimentos para investigar a suspeita de irregularidades por parte de servidores da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj).

As transações foram informadas ao Coaf porque são "incompatíveis com o patrimônio, a atividade econômica ou ocupação profissional e a capacidade financeira" de Fabrício José Carlos de Queiroz, que foi assessor do gabinete de Flávio Bolsonaro até outubro deste ano, com salário de R$ 8.517. Uma das transações listadas é um cheque de R$ 24 mil destinado à futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro, mulher do presidente eleito. Flávio Bolsonaro é o filho mais velho do presidente eleito e foi eleito senador no pleito de outubro.

Leia mais sobre o assunto no Brasil 247.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247