Ex-Odebrecht diz que gerenciava fortuna de Duque

João Antonio Bernardi Filho afirmou em delação premiada que abriu a offshore Hayley SA, no Uruguai, e sua filial no Brasil para ocultar a fortuna do ex-diretor de Serviços da Petrobrás Renato Duque; “Entre 2009 e 2010 a Hayley recebeu por volta de 5 milhões de dólares”, afirmou ele, no acordo homologado nesta segunda-feira, 26 pelo juiz federal Sérgio Moro; Bernardi apontou um total de ativos de US$ 10,6 milhões

João Antonio Bernardi Filho afirmou em delação premiada que abriu a offshore Hayley SA, no Uruguai, e sua filial no Brasil para ocultar a fortuna do ex-diretor de Serviços da Petrobrás Renato Duque; “Entre 2009 e 2010 a Hayley recebeu por volta de 5 milhões de dólares”, afirmou ele, no acordo homologado nesta segunda-feira, 26 pelo juiz federal Sérgio Moro; Bernardi apontou um total de ativos de US$ 10,6 milhões
João Antonio Bernardi Filho afirmou em delação premiada que abriu a offshore Hayley SA, no Uruguai, e sua filial no Brasil para ocultar a fortuna do ex-diretor de Serviços da Petrobrás Renato Duque; “Entre 2009 e 2010 a Hayley recebeu por volta de 5 milhões de dólares”, afirmou ele, no acordo homologado nesta segunda-feira, 26 pelo juiz federal Sérgio Moro; Bernardi apontou um total de ativos de US$ 10,6 milhões (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Em delação premiada, ex-executivo da Odebrecht João Antonio Bernardi Filho afirmou que abriu a offshore Hayley SA, no Uruguai, e sua filial no Brasil para ocultar a fortuna do ex-diretor de Serviços da Petrobrás Renato Duque.

“Entre 2009 e 2010 a Hayley recebeu por volta de 5 milhões de dólares”, afirmou Bernardi, no acordo homologado nesta segunda-feira, 26 pelo juiz federal Sérgio Moro.

Segundo reportagem de Julia Affonso e Fausto Macedo, Bernardi apontou um total de ativos de US$ 10,6 milhões. Desses, ele entregou US$ 1,65 milhão, da conta Worly, no banco Credit Agricole, em Genebra (Suíça), R$ 891 mil em 14 quadros comprados pela Hayley do Brasil, um quadro do artista Guignard em nome da offshore já apreendido e US$ 1,5 milhão do valor das ações do fundo de investimento (leia mais).

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247