Ex-presidente da Vale diz à CPI que desconhecia risco de barragem em Brumadinho

Em depoimento no Senado à CPI de Brumadinho e outras barragens, o ex-presidente da Vale Fabio Schvartsman disse que nunca chegou ao seu conhecimento que houvesse risco iminente de rompimento de barragens da Companhia. "No caso de Brumadinho, posso afirmar categoricamente, que jamais chegou ao meu conhecimento nenhuma denúncia pelos canais oficiais da empresa ou quaisquer outros, nem mesmo os anônimos, relatando risco iminente de rompimento de barragens", afirmou

Ex-presidente da Vale diz à CPI que desconhecia risco de barragem em Brumadinho
Ex-presidente da Vale diz à CPI que desconhecia risco de barragem em Brumadinho (Foto: REUTERS/Paulo Whitaker)

Karine Melo, repórter da Agência Brasil - Em depoimento no Senado à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) de Brumadinho e outras barragens, o ex-presidente da Vale Fabio Schvartsman disse nesta quinta-feira (28) que nunca chegou ao seu conhecimento que houvesse risco iminente de rompimento de barragens da Companhia. "No caso de Brumadinho, posso afirmar categoricamente, que jamais chegou ao meu conhecimento nenhuma denúncia pelos canais oficiais da empresa ou quaisquer outros, nem mesmo os anônimos, relatando risco iminente de rompimento de barragens", afirmou.

O executivo insistiu que todos os relatórios, enviados à Diretoria e ao Conselho de Administração da Companhia, foram atestados por empresas mudialmente reconhecidas em segurança de barragens e indicavam estabilidade das barragens. Sobre a conduta da Tuv Sud, empresa alemã que atestou a estabilidade da barragem em Brumadinho, Fábio Schvartsman se disse surpreso. "Jamais imaginamos que uma companhia desse porte e reconhecimento poderia emitir um laudo em uma situação que não houvesse real estabilidade".

Em sua defesa, o ex-presidente da Vale, disse que sob sua administração, a mineradora cumpriu integralmente a legislação brasileira para mineração e barragens. Nesse sentido ressaltou que os investimentos da mineradora em segurança de barragens cresceram significativamente, foram de R$180 milhões, em 2017 para R$241 milhões, em 2018. Para 2019 o valor previsto é de R$256 milhões.

Nomes
Vários senadores insistiram que Fábio Schvartsman apontasse nominalmente quem são os responsáveis pela tragédia na Mina do Córrego do Feijão. "A responsabilidade, se houver, é certamente da área técnica. Não há duvida que houve algo tremendamente errado e tenho certeza que as investigações vão apontar os responsáveis", disse sem citar nomes. Questionado outras vezes sobre de quem é a responsabilidade pela instalação do refeitório e da área administrativa da Mina, bem próximas à barragem que se rompeu, o ex-presidente da Vale disse que as áreas técnicas de cada região tinham autonomia e independência financeira para essa tomada de decisão.

Histórico
Schvartsman é o primeiro convocado a depor pela CPI. Ele seria ouvido na última quinta-feira (21) na condição de convidado, mas em recuperação após uma cirurgia de catarata no olho direito apresentou um atestado médico e teve sua convocação aprovada para hoje. O presidente interino da mineradora, Eduardo Bartolomeo, também teve um requerimento de convocação aprovado e será ouvido pelos senadores em data que não definida.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247