Exonerado, Lupi continua conselheiro do BNDES

Vaga de R$ 6 mil ao mês é destinada ao representante do ministério do Trabalho; presidente nacional do PDT, ele entregou o cargo em 2011 após denúncias de irregularidades na pasta e agora cogita se tornar oposição

Exonerado, Lupi continua conselheiro do BNDES
Exonerado, Lupi continua conselheiro do BNDES
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Demitido do Planalto no fim de 2011 após denúncias de irregularidades, o ex-ministro do Trabalho Carlos Lupi permanece como conselheiro do BNDES na vaga destinada ao representante do ministério. Por mês, recebe cerca de R$ 6.000. 

"Olha, eu não sei [explicar a permanência no cargo]. Você tem que perguntar à direção que me manteve lá até agora. Como eu era indicado pela Presidência da República, enquanto não me tirar, eu estou lá", disse. A assessoria do atual ministro, Brizola Neto, informou ontem que pediu à Presidência em junho de 2012 a substituição.

Lupi foi o ministro que resistiu mais tempo no cargo após serem feitas denúncias de corrupção na Pasta. Reportagem publicada na revista Veja em 9 de novembro de 2011 afirmava que seus assessores recebiam propina.

Hoje parte da base do governo, o presidente nacional do PDT não descarta se tornar oposição e lançar um nome para concorrer com a presidente Dilma Rousseff nas próximas eleições presidenciais.

A decisão da candidatura, porém, deve provocar um racha na legenda, já que a ala de Brizola Neto – que assumiu como ministro do Trabalho no lugar de Lupi – defende o apoio à reeleição de Dilma em 2014.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email