FAB suspende contratos com empresa que disse ter pago propina

Força Aérea Brasileira suspendeu nesta sexta-feira 12 os contratos que mantinha com a empresa norte-americana Dallas Airmotive; de acordo com reportagem do The Wall Street Journal, a empresa de manutenção de aviões admitiu à Justiça dos Estados Unidos que pagou propina a oficiais da FAB e ao governo de Roraima

Força Aérea Brasileira suspendeu nesta sexta-feira 12 os contratos que mantinha com a empresa norte-americana Dallas Airmotive; de acordo com reportagem do The Wall Street Journal, a empresa de manutenção de aviões admitiu à Justiça dos Estados Unidos que pagou propina a oficiais da FAB e ao governo de Roraima
Força Aérea Brasileira suspendeu nesta sexta-feira 12 os contratos que mantinha com a empresa norte-americana Dallas Airmotive; de acordo com reportagem do The Wall Street Journal, a empresa de manutenção de aviões admitiu à Justiça dos Estados Unidos que pagou propina a oficiais da FAB e ao governo de Roraima (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Paulo Victor Chagas - Repórter da Agência Brasil

A Força Aérea Brasileira (FAB) suspendeu nesta sexta-feira (12) os contratos que mantinha com a empresa norte-americana Dallas Airmotive. De acordo com reportagem do The Wall Street Journal, a empresa de manutenção de aviões admitiu à Justiça dos Estados Unidos que pagou propina a oficiais da FAB e ao governo de Roraima.

Os pagamentos teriam ocorrido entre 2008 e 2012, e se destinavam também à Força Aérea Peruana e ao governo da província argentina de San Juan. Ao assumir os subornos, a empresa Dallas concordou em pagar multa de US$ 14 milhões (R$ 37,1 milhões pelo câmbio de hoje), segundo o jornal.

Por meio de nota, a FAB disse que os contratos com a Dallas estarão suspensos até o total esclarecimento das denúncias. Caso as acusações sejam comprovadas, informou a Aeronáutica, os contratos serão rescindidos. Um Inquérito Policial Militar foi instaurado para apurar o envolvimento dos oficiais que, de acordo com o órgão, ainda não foram identificados.

"Ressaltamos que a FAB repudia atitudes desta natureza, e atua firmemente para coibir desvios de conduta de seu efetivo", enfatiza a nota.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247