Fachin nega que prisão de Loures vise forçar delação

Portal jurídico Jota destaca que o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou que a prisão do ex-deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), homem de confiança do presidente da República, Michel Temer, e flagrado recebendo uma mala com R$ 500 mil de propina da JBS, seja uma forma de forcá-lo a buscar um acordo de delação premiada. "Essa alegação, disse Fachin no seu despacho, "vem desacompanhada de qualquer elemento indiciário que a dê suporte"", disse Fachin

Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin e ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) .2
Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin e ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) .2 (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Portal jurídico Jota destaca que o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou que a prisão do ex-deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), homem de confiança do presidente da República, Michel Temer, e flagrado recebendo uma mala com R$ 500 mil de propina da JBS, seja uma forma de forcá-lo a buscar um acordo de delação premiada. "Essa alegação, disse Fachin no seu despacho, "vem desacompanhada de qualquer elemento indiciário que a dê suporte"", disse Fachin.

Em sua decisão, "Fachin lembra que havia negado o pedido de prisão feito pelo Ministério Público em maio porque Rocha Loures exercia mandato parlamentar. Por isso, a prisão só poderia ocorrer em flagrante, conforme determina a Constituição. Com a saída de Osmar Serraglio do Ministério da Justiça e seu retorno para a Câmara dos Deputados, Rocha Loures perdeu a vaga e já não é mais deputado. Por isso, a prisão foi possível agora", destaca o texto.

"Da mesma forma que se exige prova apta à condenação e indícios suficientes de autoria e materialidade delitiva para imposição de medidas cautelares em geral, a mera alegação de desvio de finalidade no pedido de prisão preventiva não pode ser acolhida sem qualquer elemento indiciário que lhe dê suporte", completou Fachin.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247