"Falso moralista", afirma Tacla Duran sobre Dallagnol, beneficiado pelo MP

"O falso moralista sempre se esconderá sob sua própria verdade; ele o acusará do que ele faz e te absolverá pelo que você não disse", afirmou o advogado Rodrigo Tacla Duran sobre Deltan Dallagnol, após o conselho do MP arquivar representação feita pela defesa do ex-presidente Lula contra o procurador

Rodrigo Tacla Duran e Deltan Dallagnol
Rodrigo Tacla Duran e Deltan Dallagnol (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O advogado Rodrigo Tacla Duran bateu duro no coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, após o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) arquivar uma representação feita pela defesa de Luiz Inácio Lula da Silva com o objetivo de punir o procurador por causa da apresentação do PowerPoint feita em 2016 para explicar a denúncia do Ministério Público sobre o triplex do Guarujá (SP) contra o ex-presidente.

"'O falso moralista sempre se esconderá sob sua própria verdade; ele o acusará do que ele faz e te absolverá pelo que você não disse' Prescrição salva @deltanmd!!! Ídolo de barro - Conselho do MP sinaliza maioria contra Deltan, mas reconhece prescrição", escreveu o advogado no Twitter. 

Este ano veio a público a informação de que o procurador-geral da República, Augusto Aras, retomou negociação de acordo de delação com o advogado Rodrigo Tacla Duran, que atinge diretamente advogado Carlos Zucolotto, padrinho de casamento do ex-ministro Sérgio Moro, com potencial de revelar novas irregularidades da Lava Jato - várias ilegalidades na operação já foram divulgadas pelo site Intercept Brasil em parceria com outros veículos, em séries de reportagens conhecidas como Vaza Jato. 

Tacla Duran afirmou ter pago US$ 5 milhões a Zucolotto para obter vantagens em seu acordo de delação premiada com a Lava Jato em 2016, como a diminuição do valor de sua multa, acordada inicialmente em R$ 55 milhões, o que não aconteceu. Em 2018, a PGR arquivou os fatos relatados por Tacla sob o argumento de que faltou a comprovação de crimes. 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247