Federação critica manutenção de vetos ao Ato Médico

Presidente da Federação Nacional dos Médicos (Fenam), Geraldo Ferreira, disse em nota que a categoria continuará a lutar por "dignidade do exercício da medicina, condições de trabalho adequadas, remuneração justa e melhor financiamento da saúde pública"

Presidente da Federação Nacional dos Médicos (Fenam), Geraldo Ferreira, disse em nota que a categoria continuará a lutar por "dignidade do exercício da medicina, condições de trabalho adequadas, remuneração justa e melhor financiamento da saúde pública"
Presidente da Federação Nacional dos Médicos (Fenam), Geraldo Ferreira, disse em nota que a categoria continuará a lutar por "dignidade do exercício da medicina, condições de trabalho adequadas, remuneração justa e melhor financiamento da saúde pública" (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Thais Leitão
Repórter da Agência Brasil

Brasília - A manutenção pelo Congresso dos vetos presidenciais à Lei do Ato Médico, que regulamenta a medicina, foi criticada hoje (21) pela Federação Nacional dos Médicos (Fenam). O presidente da entidade, Geraldo Ferreira, disse, em nota, que a categoria continuará a lutar por "dignidade do exercício da medicina, condições de trabalho adequadas, remuneração justa e melhor financiamento da saúde pública".

Os vetos à Lei do Ato Médico foi o assunto que mais causou tensão nos debates que se estenderam até as 22h de ontem (20). A maioria dos 458 deputados e 70 senadores que participaram da sessão decidiu acatar os vetos, inclusive o do artigo que define que apenas médicos podem fazer diagnósticos e prescrições.

"Esperávamos pela derrubada [dos vetos do Palácio do Planalto], mas a manutenção não vai enfraquecer nossa luta em defesa da profissão e de uma assistência de qualidade à população", disse Ferreira na nota.

Na avaliação do presidente da Fenam, a sociedade perde com a decisão. "As equipes são multidisciplinares e os profissionais precisam um do outro. Não pode haver equipes de trabalho sem a presença de médicos, como pretende o governo", acrescentou.

Antes da votação, na tarde de ontem (20), profissionais da área de saúde se mobilizaram no Congresso para influenciar a decisão. Com gritos de ordem, os defensores dos dois lados se opuseram no Salão Verde da Câmara dos Deputados. No gramado em frente ao Congresso Nacional foi escrita a frase "Mantenham os vetos".

Edição: Talita Cavalcante

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email