Fenae reforça que práticas criminosas contra bancárias da Caixa são intoleráveis e cobra punição de culpados

Em Dia de Luta contra assédio, foco da entidade foi respeito às mulheres, equidade de condições no trabalho e exigência de acolhimento às bancárias da Caixa

www.brasil247.com - Bancárias da Caixa Econômica Federal
Bancárias da Caixa Econômica Federal (Foto: Fenae)


Fenae - Bancários de todo o país realizam, nesta terça-feira (5), Dia Nacional de Luta contra o assédio moral e sexual. Idealizado pelo Comando Nacional dos Bancários, o objetivo da ação é intensificar as denúncias de assédio no ambiente profissional sofrido tanto por trabalhadores do setor financeiro quanto por outros segmentos da sociedade, além de reforçar a exigência das devidas apurações de casos relatados em instituições como a Caixa Econômica Federal.

“Crimes como os denunciados por empregadas da Caixa são intoleráveis e precisam ser denunciados para que os culpados sejam devidamente punidos e o ambiente de trabalho seja pautado por respeito, valores morais e elevados padrões de conduta”, destaca o presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa (Fenae), Sergio Takemoto.

O coordenador da Comissão Executiva dos Empregados da Caixa (CEE/Caixa) e diretor de Administração e Finanças da Fenae, Clotário Cardoso, ressalta que o Ato reforça a indignação sobre a forma “desrespeitosa e criminosa” como empregadas do banco público eram tratadas por Pedro Guimarães e outros integrantes da direção da empresa: “Colocando em risco a saúde e a carreira dessas mulheres. Colocando em risco a vida de pessoas”. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cardoso ainda acrescenta: “Vamos mostrar à população que a Caixa é uma instituição séria, centenária, que tem total compromisso com o povo brasileiro, ao contrário deste (des)governo”. O coordenador da CEE também reafirma a necessidade de apuração das denúncias de assédio sexual e moral no banco público e a responsabilização dos culpados. “Assédio sexual é crime. E, se é crime, os culpados têm que pagar por isso, têm que ser punidos”, enfatiza.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

ASSÉDIO MORAL — Sergio Takemoto lembra que a opressão vivida por trabalhadores da Caixa já vinha sendo alertada pela Fenae. Pesquisa divulgada pela Federação, este ano, revelou o aumento da quantidade de empregados do banco público a assédio moral: 6 em cada 10 bancários afirmaram ter passado por este tipo de situação. Em estudo anterior encomendado pela Fenae à Universidade de Brasília (UnB), o índice chegava a 53,6%.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A atual pesquisa, que ouviu mais de três mil trabalhadores da Caixa em todo o país, também comprovou que o trabalho no banco estava afetando a saúde de 80% dos empregados. Trouxe, ainda, outros dados alarmantes: 33% estavam afastados por depressão, 26% por ansiedade, 13% por Síndrome de Burnout e 11% por Síndrome do Pânico.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email