Fernando Haddad: Bolsonaro destruiu a saúde e a economia ao mesmo tempo

Ex-ministro e ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad afirmou à TV 247 que Bolsonaro não sabe o que fazer diante da pandemia de Covid-19 e, por isso, está arruinando a economia e a saúde brasileira. “Nós aqui fizemos a pior coisa do mundo, ficamos no meio do caminho”, avaliou, em relação às medidas de isolamento social. Assista na TV 247

Fernando Haddad e Jair Bolsonaro
Fernando Haddad e Jair Bolsonaro (Foto: Divulgação | Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-ministro Fernando Haddad afirmou, em entrevista à TV 247, que Jair Bolsonaro está matando a economia e a saúde dos brasileiros ao mesmo tempo, uma vez que não contribui com medidas em favor do isolamento social e prejudica as ações de governadores neste sentido.Haddad citou a Nova Zelândia como exemplo do que deveria ser feito no Brasil. A primeira-ministra neozelandesa, Jacinda Ardern, endureceu as medidas de isolamento social no país e o cidadãos, bem como as empresas, já experimentam a volta à normalidade pós-pandemia. “A gente deveria olhar para a Nova Zelândia. A primeira-ministra não teve dúvida, e a determinação dela não vai salvar só a vida dos neozelandeses, mas vai salvar os empresários da Nova Zelândia, porque os eles vão sair primeiro do lockdown do que todo mundo porque ela matou o vírus lá dentro”.

Pela falta de cooperação do governo federal pelo isolamento, Haddad avaliou que Bolsonaro está, portanto, matando os brasileiros e a economia. “Nós aqui fizemos a pior coisa do mundo, ficamos no meio do caminho. A gente está matando os brasileiros e matando a economia simultaneamente. O Bolsonaro conseguiu a proeza de matar os negócios e os brasileiros com a indefinição dele. O vacilo do Bolsonaro é tão grande, o sem rumo, o sem noção, que ele está matando a saúde e a economia simultaneamente porque ele não sabe o que fazer, e a pior coisa nesse momento é não saber o que fazer. Resultado: ele está alongando a crise”.

Inscreva-se na TV 247 e assista à entrevista na íntegra:

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247