FHC: juiz na presidência seria um desastre

Ex-presidente Fernando Henrique Cardoso criticou o avanço de juízes, como o ex-presidente do STF Joaquim Barbosa, em pesquisas eleitorais; "Se vocês forem ver as pesquisas hoje quem o povo acha que pode ser presidente da República? Os juízes. E certamente se forem para a presidência vai ser um desastre", disse FHC em evento do portal jurídico Jota; "Da mesma maneira que se me colocarem lá no STF vai dar vergonha do que eu vou dizer por lá", acrescentou

Ex-presidente Fernando Henrique Cardoso criticou o avanço de juízes, como o ex-presidente do STF Joaquim Barbosa, em pesquisas eleitorais; "Se vocês forem ver as pesquisas hoje quem o povo acha que pode ser presidente da República? Os juízes. E certamente se forem para a presidência vai ser um desastre", disse FHC em evento do portal jurídico Jota; "Da mesma maneira que se me colocarem lá no STF vai dar vergonha do que eu vou dizer por lá", acrescentou
Ex-presidente Fernando Henrique Cardoso criticou o avanço de juízes, como o ex-presidente do STF Joaquim Barbosa, em pesquisas eleitorais; "Se vocês forem ver as pesquisas hoje quem o povo acha que pode ser presidente da República? Os juízes. E certamente se forem para a presidência vai ser um desastre", disse FHC em evento do portal jurídico Jota; "Da mesma maneira que se me colocarem lá no STF vai dar vergonha do que eu vou dizer por lá", acrescentou (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso criticou o avanço de juízes em pesquisas eleitorais. "Se vocês forem ver as pesquisas hoje quem o povo acha que pode ser presidente da República? Os juízes. E certamente se forem para a presidência vai ser um desastre", disse FHC em evento do portal jurídico Jota. "Da mesma maneira que se me colocarem lá no STF vai dar vergonha do que eu vou dizer por lá", acrescentou. 

Segundo o ex-presidente tucano, a corrupção sistêmica não é inteiramente nova. Já era possível notar seu germe há algumas décadas. Ele conta que na época do escândalo dos Anões do Orçamento quase caiu da liderança do MDB porque indicou uma pessoa correta para ocupar a presidência da comissão do Orçamento, onde "interesses políticos e das empresas se juntavam".

"A corrupção, e não quero exagerar, passou a ser quase base de sustentação do poder", afirma o ex-presidente. "A lição da Lava Jato foi muito significativa. Foi um marco porque mostrou: olha o que é, olha o que vocês são".

Leia reportagem de Kalleo Coura no Jota

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247