Filha de Temer admite que coronel Lima atuou em sua reforma

Durante quatro horas de depoimento, a psicóloga Maristela Temer, filha de Michel Temer, disse à Polícia Federal que recebeu ‘uma ajuda de camaradagem, amizade, quase familiar’ do coronel João Baptista Lima Filho, o coronel Lima, operador de seu pai há muitos anos; ela afirmou que a obra foi responsabilidade dela, mas que recebeu ajuda financeira da mãe e também fez um empréstimo no banco; a Operação Skala investiga o decreto dos Portos editado pelo presidente Michel Temer e um esquema de propinas para o emedebista que teria sido colocado em prática pelo coronel Lima, dono da empresa Argeplan

www.brasil247.com - Durante quatro horas de depoimento, a psicóloga Maristela Temer, filha de Michel Temer, disse à Polícia Federal que recebeu ‘uma ajuda de camaradagem, amizade, quase familiar’ do coronel João Baptista Lima Filho, o coronel Lima, operador de seu pai há muitos anos; ela afirmou que a obra foi responsabilidade dela, mas que recebeu ajuda financeira da mãe e também fez um empréstimo no banco; a Operação Skala investiga o decreto dos Portos editado pelo presidente Michel Temer e um esquema de propinas para o emedebista que teria sido colocado em prática pelo coronel Lima, dono da empresa Argeplan
Durante quatro horas de depoimento, a psicóloga Maristela Temer, filha de Michel Temer, disse à Polícia Federal que recebeu ‘uma ajuda de camaradagem, amizade, quase familiar’ do coronel João Baptista Lima Filho, o coronel Lima, operador de seu pai há muitos anos; ela afirmou que a obra foi responsabilidade dela, mas que recebeu ajuda financeira da mãe e também fez um empréstimo no banco; a Operação Skala investiga o decreto dos Portos editado pelo presidente Michel Temer e um esquema de propinas para o emedebista que teria sido colocado em prática pelo coronel Lima, dono da empresa Argeplan (Foto: Gustavo Conde)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - Durante quatro horas de depoimento, a psicóloga Maristela Temer, filha de Michel Temer, disse à Polícia Federal que recebeu ‘uma ajuda de camaradagem, amizade, quase familiar’ do coronel João Baptista Lima Filho, o coronel Lima, operador de seu pai há muitos anos. Ela afirmou que a obra foi responsabilidade dela, mas que recebeu ajuda financeira da mãe e também fez um empréstimo no banco. A Operação Skala investiga o decreto dos Portos editado pelo presidente Michel Temer e um esquema de propinas para o emedebista que teria sido colocado em prática pelo coronel Lima, dono da empresa Argeplan. 

Maristela disse que foi a responsável pelo pagamento da reforma e alegou que tinha, e sempre teve, uma preocupação muito grande com o custo da obra. Sabia exatamente até onde podia ‘caminhar’ com as próprias pernas para bancar o empreendimento.

A filha de Michel Temer contou que precisou da ajuda da mãe, Maria Célia, pagamento das despesas da reforma. Também fez um empréstimo bancário, por volta de 2013 e 2014, mas não se recorda especificamente se era para quitar uma despesa determinada da obra. Tomou o empréstimo por conta do gasto extraordinário da obra.

Ela contou que seu objetivo era alugar a casa e ‘dar um tapa’ para poder alugar, porque estava de mudança para Ibiúna (Grande São Paulo). Disse ao delegado que se separou e que queria dar à filha uma vida diferente.

PUBLICIDADE

Leia mais aqui.

 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email