Flávio Bolsonaro dá versão falsa sobre extrato bancário em entrevista

O senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente da República, diz em entrevista que seu extrato bancário 'apareceu na televisão", mas na verdade trata-se do relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), que apontou duas movimentações financeiras suspeitas no caso que apura as ações de seu ex-assessor, Fabrício Queiroz

Flávio Bolsonaro dá versão falsa sobre extrato bancário em entrevista
Flávio Bolsonaro dá versão falsa sobre extrato bancário em entrevista (Foto: Pedro França/Agência Senado)

247 - "Por que estão querendo agora pedir autorização para quebrar meu sigilo bancário se meu extrato já apareceu na televisão? Eles querem requentar uma informação que eles conseguiram de forma ilegal, inconstitucional", disse o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro, em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo publicada nesta segunda-feira (13).

No entanto, segundo a Folha de S. Paulo, o filho do presidente apresentou versões falsas ao falar sobre a investigação contra seu ex-assessor Fabrício Queiroz e duas transações imobiliárias. "O extrato bancário do senador, que ele afirma ter sido divulgado, não foi exposto na televisão", disse o jornal. 

Flávio tenta transformar um relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), exibido pela TV Globo, que apontou duas movimentações atípicas na sua conta bancária, em "exposição de seu extrato bancário", o que é bem diferente. Isso porque as comunicações do Coaf não podem ser consideradas quebra de sigilo bancário.

O senador já tentou por duas vezes barrar na Justiça as investigações do caso Queiroz, sob o argumento de quebra de sigilo bancário ilegal. Perdeu tanto no STF (Supremo Tribunal Federal) como no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

Outro ponto controverso da versão apresentada por Flávio Bolsonaro na entrevista diz respeito a uma comunicação apresentada pelo Coaf de 48 depósitos sequenciais de R$ 2.000 em espécie em sua conta bancária entre 9 de junho e 13 de julho.

Flávio disse que os valores se referem a uma parcela do pagamento que recebeu em dinheiro pela venda de um imóvel no período e que foram depositados por ele mesmo num caixa eletrônico. A Folha de S. Paulo lembra que a versão foi corroborada pelo comprador, o atleta Fábio Guerra. A escritura da transação, porém, aponta uma divergência de datas e registra que o sinal foi pago meses antes da data de registro dos depósitos.

Sobre o pagamento de um título bancário de R$ 1 milhão à Caixa Econômica Federal, Flávio afirma que quitou um financiamento com o banco nesse valor neste período, com recursos da mesma transação feita com Guerra. Documentos registrados em cartório confirmam a versão.

Bolsogate

As explicações de Flávio Bolsonaro são para tentar evitar as investigações do Ministério Público do Rio de Janeiro, que pede a quebra de sigilo bancário de Fabrício Queiroz, seu ex-assessor, e também a sua quebra de sigilo.

Em janeiro de 2018, o Coaf apontou uma movimentação atípica de R$ 1,2 milhão na conta de Queiroz, sendo que a movimentação se dava por meio de depósitos e saques em dinheiro vivo.

As transações ocorriam em data próxima do pagamento de servidores da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro), onde Flávio exerceu o mandato de deputado por 16 anos.

Em fevereiro, Queiroz admitiu que recebia parte dos valores dos salários dos colegas de gabinete. Ele diz que usava esse dinheiro para remunerar assessores informais de Flávio, sem o conhecimento do então deputado. 

Ao vivo na TV 247 Youtube 247