Força Sindical: terceirização irrestrita vai ampliar problemas já existentes

Força Sindical criticou a decisão do Supremo Tribunal Federal desta quinta-feira, 30, que autorizou a terceirização irrestrita nas atividades das empresas; "A terceirização da atividade-fim não cria empregos, reduz os salários e divide a representação sindical, prejudicando as negociações por benefícios e melhores salários. Ampliar a terceirização é um grande equívoco, que só fará ampliar os problemas já existentes", diz a nota da Força

Força Sindical: terceirização irrestrita vai ampliar problemas já existentes
Força Sindical: terceirização irrestrita vai ampliar problemas já existentes

247 - A Força Sindical criticou a decisão do Supremo Tribunal Federal desta quinta-feira, 30, que autorizou a terceirização irrestrita nas atividades das empresas. 

"A terceirização da atividade-fim não cria empregos, reduz os salários e divide a representação sindical, prejudicando as negociações por benefícios e melhores salários. Ampliar a terceirização é um grande equívoco, que só fará ampliar os problemas já existentes", diz a nota da Força. 

O ex-presidente da entidade, o deputado Paulo Pereira da Silva (SD), foi um dos apoiadores do golpe parlamentar de 2016 e do governo de Michel Temer. 

Leia, abaixo, a nota da Força Sindical na íntegra:

Decisão nefasta do STF reduz direitos dos trabalhadores

Lamentável e nefasta a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de aprovar, por 7 votos a 4, a terceirização dos diferentes tipos de atividade das empresas.

A adoção da terceirização irrestrita prejudica enormemente todos os trabalhadores brasileiros pois, ao acabar com os direitos pactuados, regidos por uma Convenção Coletiva em cada atividade profissional, ela cria trabalhadores de segunda categoria, sem o amparo de uma legislação específica.

Todos os trabalhadores, até então, tinham a proteção de uma Convenção Coletiva assinada com sindicatos de trabalhadores e das empresas de acordo com a atividade preponderante daquela empresa, estando, portanto, amparados por lei.

Com a terceirização irrestrita, ou seja, que atinge todas as atividades, incluindo-se aí a atividade-fim, os trabalhadores, passando a ser terceirizados, perdem muito, como por exemplo a Participação nos Lucros ou Resultados, vale-transporte e vale-alimentação, entre tantas outras conquistas.

A terceirização da atividade-fim não cria empregos, reduz os salários e divide a representação sindical, prejudicando as negociações por benefícios e melhores salários.

Ampliar a terceirização é um grande equívoco, que só fará ampliar os problemas já existentes.

Miguel Torres
Presidente interino da Força Sindical

João Carlos Gonçalves – Juruna
Secretário-geral da Força Sindical

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247