Fraco e inexperiente, Velez Rodrigues provoca paralisia total no MEC

O começo da gestão do colombiano Ricardo Vélez Rodríguez à frente do MEC causa apreensão entre secretários de Educação espalhados pelo Brasil; o ministério ainda não apresentou diretrizes da política educacional nem comunicou sobre a continuidade das ações em curso; pessoas próximas ao ministro reconhecem que há paralisia; com uma equipe inexperiente, secretários se esforçam para entender a complexidade da pasta bem como a formulação de políticas

Fraco e inexperiente, Velez Rodrigues provoca paralisia total no MEC
Fraco e inexperiente, Velez Rodrigues provoca paralisia total no MEC (Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

247 - O começo da gestão do colombiano Ricardo Vélez Rodríguez à frente do MEC causa apreensão entre secretários de Educação espalhados pelo Brasil. O ministério ainda não apresentou diretrizes da política educacional nem comunicou sobre a continuidade das ações em curso. Pessoas próximas ao ministro reconhecem que há paralisia. Com uma equipe inexperiente, secretários se esforçam para entender a complexidade da pasta bem como a formulação de políticas. 

A reportagem do jornal Folha de S. Paulo destaca que "integrantes do MEC reconhecem que a falta de diretrizes claras já causa desgaste. Assessores dizem que o namoro com a opinião pública está próximo de acabar, caso não haja movimentos efetivos. A primeira reunião do ministro com as entidades que representam os secretários de Educação ocorreu somente na semana passada. O encontro só serviu para apertos de mão: os secretários não ouviram sinalização concreta de ações."

E complementa: "ao MEC cabe a política educacional e colaboração com recursos, mas os alunos estão sob responsabilidade de estados e municípios (...) Há indefinição sobre políticas de apoio aos anos finais do ensino fundamental e transferências de recursos para creches. Também há dúvidas sobre a continuidade da política de apoio a escolas de tempo integral no ensino médio, bandeira da gestão Michel Temer. Entre 2017 e 2018 foram apoiadas 981 escolas, com gasto de R$ 1 bilhão. A previsão é ter mais 220 escolas em 2019. Escolas nessa modalidade custam mais aos estados."

 

Conheça a TV 247

Mais de Brasil

Ao vivo na TV 247 Youtube 247