Frente de resistência deve apontar consequências nefastas do bolsonarismo

Mestre em Direito pela PUC-SP, Jean Keji Uema faz um levantamento e aponta caminhos para o embate de forças entre governo e oposição. Ele diz: "o PT (56), PSB (32), PDT (28), PSOL (10) e PC do B (9), juntos, tem 135 deputados. Se acrescentarmos aqui o PPS (8), PV (4), REDE (1) e PPL (1), pode-se chegar a um núcleo aproximado de 149 deputados que estariam em um campo da esquerda e centro-esquerda

Frente de resistência deve apontar consequências nefastas do bolsonarismo
Frente de resistência deve apontar consequências nefastas do bolsonarismo (Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Do Brasil de Fato - A eleição de Bolsonaro traz novos e significativos desafios para o campo popular e democrático. Ao mesmo tempo, abre-se a oportunidade de unidade de ação para as forças de oposição, o que será decisivo na superação dos tempos difíceis que se aproximam e na retomada de um futuro de justiças social e econômica.

De imediato, é tempo de preparar a resistência para a proteção dos direitos, impedir o avanço da pauta conservadora e acumular forças para os embates que se aproximam, notadamente em face da provável ação violenta dos órgãos estatais em relação aos movimentos sociais e setores que se engajaram na luta contra o neofascismo.

A eficácia dessa resistência dependerá da capacidade de organização dos partidos, dos movimentos sociais e desses setores numa articulação das lutas que transcenda interesses específicos, conformando uma frente ampla, plural, representando os interesses gerais dos trabalhadores e pobres do país, além das pautas sociais progressistas.

Especificamente no Congresso Nacional, as bancadas de esquerda e centro-esquerda também precisam serem articuladas nesta frente. Inclusive com a possível atração de parlamentares do centro nas pautas de defesa da democracia e dos direitos civis e políticos.

Esse combate parlamentar, sustentado e reverberando as lutas sociais que certamente vão ocorrer, passará pela resistência à retirada e violação de direitos (p.ex. tipificação do "terrorismo", redução da maioridade penal, fim das cotas sociais e raciais nas universidades), ao retrocesso institucional e social (p.ex. revogação do estatuto do desarmamento, desmonte do SUS, revogação do regime de partilha na exploração do petróleo), à imposição de uma pauta conservadora nos costumes (p.ex. escola sem partido) e à imposição de uma política econômica conservadora, de massacre aos pobres e privilégio aos ricos (p. ex. independência do Banco Central, reforma da previdência, privatizações).

Contudo, dada a composição das casas do Congresso, essa não será uma tarefa fácil.

No Senado Federal, que tem 81 parlamentares, os partidos de esquerda e centro-esquerda terão apenas 12 senadores, sendo 6 do PT, 4 do PDT, e 2 do PSB. O MDB continua o maior partido, com 11 senadores, seguido por PSDB com 8, e PSD e DEM com 7 cada um. Depois PP com 6 e REDE e PODE, com 5 cada um. O PSL, de Bolsonaro, tem 4 senadores. E há também uma série de partidos com 2 (PR, PTB, PPS, PHS) ou 1 (PRB, PROS, PV, SD, PSC, PRP) senadores.

Contando com o apoio da maior parte do MDB, DEM, PSDB, PSD, PP, REDE E PODE, o governo, que já tem PSL, PRB e PSC e outros nanicos, chegará com facilidade à maioria simples para aprovação de projetos (41 votos presentes os 81) e emendas à Constituição (49 votos).

Uma dificuldade maior para o governo pode acontecer na Câmara dos Deputados. São 30 partidos representados:

O PT (56), PSB (32), PDT (28), PSOL (10) e PC do B (9), juntos, tem 135 deputados. Se acrescentarmos aqui o PPS (8), PV (4), REDE (1) e PPL (1), pode-se chegar a um núcleo aproximado de 149 deputados que estariam em um campo da esquerda e centro-esquerda.

Do outro lado, o PSL (52) de Bolsonaro, junto com PRB (30), PTB (10) e PSC (8), que estarão unidos com certeza ao governo, tem 100 deputados.

Já o chamado Centrão, que provavelmente deve aderir ao governo em maior parte, e que reúne PP (37), MDB (34), PSD (34), PR (33) e PROS (8), tem nesse núcleo 146 deputados. DEM (29) e PSDB (29), com 58 deputados, fecham a lista dos partidos maiores. Depois temos uma série de pequenos partidos com os 60 parlamentares restantes para completar os 513.

Ainda se deve considerar o provável aumento da bancada do PSL, que deverá abrigar a maior parte dos deputados que sairão dos pequenos partidos que não alcançaram a cláusula de barreira: PHS (6), Patriotas (5), PRP (4), PMN (3), PTC (2), DC (1).

Assim, Bolsonaro, em princípio, terá uma maioria confortável para aprovar projetos de lei que exigem maioria simples: 258, ou seja, metade mais um dos presentes, uma vez atingido o quórum de 258. É o caso de projetos como o sobre o fim ao estatuto do desarmamento ou o projeto Escola sem Partido.

Mas poderá ter dificuldade maior para aprovar emendas constitucionais, que exigem 3/5 dos votos, ou seja, 308 deputados. Visto do outro lado, a oposição, que tem 149 deputados nas melhores contas, como vimos acima, precisa garantir 205 votos (ou votos e ausências) para impedir o avanço de propostas de emendas constitucionais, como a reforma da previdência, por exemplo.

Caberá à frente ampla de resistência democrática, em cada projeto, apontar as consequências nefastas e os impactos negativos. Esclarecer o conjunto da sociedade para fortalecer as lutas sociais e, desse modo, acentuar as divergências e acirrar as contradições na base do governo, conseguindo defecções e aliados pontuais nos diversos temas para impedir a aprovação dos retrocessos.

Mais do que nunca, os partidos de oposição, junto com os movimentos sociais e setores progressistas da sociedade, precisam se articular nessa frente ampla, onde não pode haver prevalências ou hegemonias que impeçam a ação conjunta, com companheirismo, solidariedade e um grande senso de responsabilidade histórica para vencer o autoritarismo e a opressão.

Ao mesmo tempo, consciente de que o processo de resistência será longo, a frente deve sempre apontar para o futuro, construindo um projeto alternativo para o conjunto da sociedade, uma agenda de emancipação social com conquistas para as trabalhadoras e trabalhadores e setores mais necessitados do país.

* Jean Keiji Uema é mestre em Direito Constitucional pela PUC/SP, Analista Judiciário do Supremo Tribunal Federal, atualmente cedido para o Senado Federal, onde atua como coordenador da assessoria legislativa da Bancada do Partido dos Trabalhadores.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247