Funcionários denunciam 'fogo amigo' de Levy contra o BNDES

Diversos grupos de funcionários do BNDES vêm utilizado as redes sociais para expor sua insatisfação com o presidente da instituição, Joaquim Levy, em função de uma declaração à imprensa sobre a denúncia feita pelo Ministério Público Federal (MPF) acerca da Operação Bullish. Segundo ele, BNDES criou uma área de compliance e que, por isso, não causava surpresa terem sido encontradas "coisas esquisitas; para os funcionários, Levy estaria praticando "fogo amigo" contra a instituição

Funcionários denunciam 'fogo amigo' de Levy contra o BNDES
Funcionários denunciam 'fogo amigo' de Levy contra o BNDES
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Diversos grupos de funcionários do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vêm utilizado as redes sociais para expor sua insatisfação com o presidente da instituição, Joaquim Levy, em função de uma declaração à imprensa sobre a denúncia feita pelo Ministério Público Federal (MPF) acerca da Operação Bullish. Segundo ele, BNDES criou uma área de compliance e que, por isso, não causava surpresa terem sido encontradas "coisas esquisitas".

A operação Bullish foi deflagrada em maio de 2017 pela Polícia Federal com o objetivo de apurar irregularidades em operações efetuadas pelo BNDES. Ao todo, cerca de 40 funcionários da instituição prestaram depoimentos e a então presidente do banco, Maria Silvia Bastos Marques, pediu demissão do cargo poucos dias após o início da operação. A denúncia formulada pelo MPF na última quinta-feira (14) abrange 11 pessoas, entre elas os ex-ministros Antônio Palocci e Guido Mantega, além do ex-presidente do BNDES Luciano Coutinho.

"Até 2016, não tinha área de 'compliance'. Engraçado. Que surpresa terem acontecido coisas esquisitas, né?! Não tinha área de 'compliance'...", disse Levy no dia seguinte à apresentação da denúncia pelo MPF. Ele, porém, não detalhou o que seriam as "coisas esquisitas".

De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, os funcionários destacam nos grupos que o BNDES possui atividades de controladoria desde 2001 e que estas ações teriam sido incorporadas em 2007 pela Área de Gestão de Riscos (AGR). Ainda segundo estes funcionários, Levy estaria praticando "fogo amigo" contra a instituição.

Na última sexta-feira (15), funcionários do BNDES fizeram um protesto contra a denúncia do MPF que reuniu cerca de 600 pessoas, na sede do banco, no Rio de Janeiro.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247