General brasileiro será subordinado ao Exército americano

O Exército brasileiro designou o general de brigada Alcides Valeriano de Faria Júnior para ocupar o cargo de subcomandante de interoperabilidade do Comando Sul, unidade militar dos EUA que coordena os interesses estratégicos do país na América do Sul, América Central e Caribe; "é uma coisa tão insólita, tão inusitada, que eu não me lembro de nenhuma situação semelhante, a não ser em tempo de guerra", disse o ex-chanceler e ex-ministro da Defesa Celso Amorim

General brasileiro será subordinado ao Exército americano
General brasileiro será subordinado ao Exército americano

Do Brasil de Fato - O Exército brasileiro designou o general de brigada Alcides Valeriano de Faria Júnior, hoje chefe da 5ª Brigada de Cavalaria Blindada, de Ponta Grossa (PR), para ocupar o cargo de subcomandante de interoperabilidade do Comando Sul, unidade militar dos Estados Unidos que coordena os interesses estratégicos do país na América do Sul, na América Central e no Caribe.

Será a primeira vez que o Brasil terá um general integrado ao Comando Sul. Faria Júnior deve ocupar o cargo a partir de março, e será responsável por colaborar com a comunicação entre as forças estadunidenses na região. A notícia, divulgada na última terça-feira (19), surpreendeu diferentes atores da área de política diplomática, como é o caso do ex-ministro da Defesa e das Relações Exteriores, Celso Amorim, também diplomata.

"É uma coisa tão insólita, tão inusitada, que eu não me lembro de nenhuma situação semelhante, a não ser em tempo de guerra", salientou.

O Brasil só ocupou cargos de comando fora do país em missões multilaterais comandadas pela Organização das Nações Unidas (ONU), como a Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti (Minustah), salvo algumas exceções históricas.

A negociação para a indicação de Faria Júnior começou ainda no governo de Michel Temer (MDB), mas foi acelerada pela decisão do atual titular do cargo, o general chileno Edmundo Villarroel, de deixar o posto antes do prazo previsto.

Na semana passada, o chefe do Comando Sul, almirante estadunidense Craig Faller, esteve no Brasil e se reuniu com o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e com oficiais do Ministério da Defesa do governo de Jair Bolsonaro.

Para o professor da Universidade Federal do ABC paulista Flávio Rocha de Oliveira, especialista em geopolítica e segurança internacional, a falta de transparência nas negociações gera dúvidas sobre os limites do acordo com o Exército estadunidense.

"Do ponto de vista da política doméstica brasileira, o que causa desconforto para quem observa e acompanha essas questões é o fato de que isso é feito sem nenhum processo de discussão política mais aberta. Ou seja, por que esse general está fazendo isso? Por que as Forças Armadas e o governo brasileiro estão enviando esse general? Desde quando essas negociações estão acontecendo? Do ponto de vista legal, por que o Congresso Nacional não foi notificado?", questiona.

Outro problema que não está solucionado é o fato de que o general brasileiro ficará submetido à cadeia de comando de um exército estrangeiro. "O general, fazendo parte dessa cadeia de comando, vai tomar que decisões? Ele vai se submeter a que decisões dentro da cadeia de comando dos Estados Unidos? Existe um plano A, plano B ou plano C para isso? Todas essas decisões são do nosso interesse?", problematiza Oliveira.

Celso Amorim chama a atenção para questões que vão além do aspecto da hierarquia entre o Exército dos Estados Unidos e Faria Júnior, como é o caso das ações de Donald Trump contra a Venezuela e a participação do Brasil nesse processo.

Nos últimos dias, Jair Bolsonaro (PSL) determinou que o país preste apoio logístico para opositores de Nicolás Maduro em uma ação de busca de alimentos e remédios em Roraima. Segundo o governo brasileiro, a ideia seria prestar ajuda humanitária à população da Venezuela.

A iniciativa, que deverá ser consumada no próximo sábado (23), é coordenada por Brasil e Estados Unidos e esquentou ainda mais as relações entre os três governos.

"Há um problema real, porque estamos vendo a questão da Venezuela se agravar a cada dia. Vimos vários militares querendo se afastar ou se dissociar da ideia da intervenção, e como poderá um general brasileiro estar integrado justamente à força que está intervindo? Porque eu não sei se os americanos vão intervir diretamente, com homens e tropas, mas obviamente eles estão patrocinando essa ajuda humanitária, com o objetivo de se transformar numa mudança de regime", afirma o ex-ministro.

Fontes ligadas ao Ministério da Defesa afirmaram ao Brasil de Fato que, apesar das recentes declarações agressivas de Bolsonaro e do chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, contra o governo da Venezuela, a ala militar do governo seria contra qualquer intervenção armada no país vizinho. Segundo as fontes, os rumos das negociações sobre a Venezuela "amargaram as relações entre o Itamaraty" e os militares.

O Exército dos Estados Unidos conta com dez comandos espalhados pelo mundo. O Comando Sul é composto por cerca de 1.200 militares e civis. Criado em 1963, ele foi o meio pelo qual o país atuou para intervir em diferentes governos da América do Sul, como foi o caso do golpe de Estado contra João Goulart, em 1964, no Brasil. As ações integravam a operação conhecida como Plano Condor.

Mudança de rota

Segundo o pesquisador Flávio Rocha de Oliveira, apesar de os governos dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Dilma Rousseff (PT) terem promovido o estreitamento das políticas externa e de defesa do Brasil, a separação entre as duas áreas é algo histórico e volta a ser praticada com a chegada de Jair Bolsonaro ao Palácio do Planalto.

"O Brasil tem um problema muito antigo que é o seguinte: temos uma política de defesa e uma política externa. Vamos pensar em alguns vizinhos: Argentina e Chile. Vamos pensar no mundo desenvolvido, a Europa Ocidental e os Estados Unidos. E vamos pensar, por exemplo, Rússia, China e Israel. Nesse conjunto de países, as políticas externa e de defesa andam juntas, uma complementa a outra, com maiores ou menores graus de sucesso. No Brasil, a gente tem uma formação histórica diferente. Então as duas, salvo em alguns momentos específicos, caminham paralelas. Você não consegue ver as duas caminhando juntas. Ou seja, a política de defesa reforçando a política externa e a política externa reforçando a política de defesa", analisa.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247