Gilberto Carvalho: 'Quero que comprovem que recebi um tostão'

Ex-chefe de gabinete do ex-presidente Lula, Gilberto Carvalho se diz indignado em ver seu nome citado na Operação Zelotes e adianta que desafia quem quer que seja a provar que ele tenha recebido recursos ilicitamente no período em que trabalhou no Palácio do Planalto; "Nunca recebi dinheiro nenhum. Eu tenho uma chácara, um apartamento para pagar em vinte anos e uma filha falida, a quem tenho de ajudar. Estão fazendo meras e tristes interpretações. Quero que comprovem se recebi um tostão", afirmou; ele argumenta que as MPs não passavam por sua alçada, tanto na gestão Lula quanto durante o governo Dilma

Ex-chefe de gabinete do ex-presidente Lula, Gilberto Carvalho se diz indignado em ver seu nome citado na Operação Zelotes e adianta que desafia quem quer que seja a provar que ele tenha recebido recursos ilicitamente no período em que trabalhou no Palácio do Planalto; "Nunca recebi dinheiro nenhum. Eu tenho uma chácara, um apartamento para pagar em vinte anos e uma filha falida, a quem tenho de ajudar. Estão fazendo meras e tristes interpretações. Quero que comprovem se recebi um tostão", afirmou; ele argumenta que as MPs não passavam por sua alçada, tanto na gestão Lula quanto durante o governo Dilma
Ex-chefe de gabinete do ex-presidente Lula, Gilberto Carvalho se diz indignado em ver seu nome citado na Operação Zelotes e adianta que desafia quem quer que seja a provar que ele tenha recebido recursos ilicitamente no período em que trabalhou no Palácio do Planalto; "Nunca recebi dinheiro nenhum. Eu tenho uma chácara, um apartamento para pagar em vinte anos e uma filha falida, a quem tenho de ajudar. Estão fazendo meras e tristes interpretações. Quero que comprovem se recebi um tostão", afirmou; ele argumenta que as MPs não passavam por sua alçada, tanto na gestão Lula quanto durante o governo Dilma (Foto: Valter Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Ex-chefe de gabinete do ex-presidente Lula, Gilberto Carvalho se diz indignado em ver seu nome citado na Operação Zelotes e adianta que desafia quem quer que seja a provar que ele tenha recebido recursos ilicitamente no período em que trabalhou no Palácio do Planalto.

"Nunca recebi dinheiro nenhum. Eu tenho uma chácara, um apartamento para pagar em vinte anos e uma filha falida, a quem tenho de ajudar. Estão fazendo meras e tristes interpretações. Quero que comprovem se recebi um tostão", afirmou.

Carvalho admite que conhece um dos suspeitos presos pela Polícia Federal: Mauro Marcondes, sócio da empresa Marcondes e Mautoni Empreendimentos, mas diz que nunca o encontrou fora do gabinete. "Quando era chefe de gabinete, eu o recebia para tratar de temas relativos a ele ter uma audiência com o presidente Lula. Vinha demandar interesses do setor automobilístico, algo normal. Nunca o encontrei fora do meu gabinete", disse.

Carvalho afirma que Mauro Marcondes conhece Lula de longa data, já que o empresário negociava com o ex-presidente desde a época em que Lula era metalúrgico. Segundo o ex-ministro, Marcondes atuava em nome da indústria nas conversas com os sindicalistas. "Era um cara que Lula conhecia bastante. Agora, não sei se eram amigos, de frequentar a casa. Isso eu não sei", afirmou Carvalho.

Ele confirma que, num dos encontros, em 2013, Marcondes pediu que Carvalho ajudasse na renovação da medida provisória que concedia benefícios à indústria automotiva. "Eu disse que não era da minha área e que poderia ver se o ministro Guido (Mantega, da Fazenda, à época) poderia recebê-lo, mas confesso que esqueci (de fazer o contato) e depois soube que ele já estava negociando na Fazenda", conta.

Ele argumenta que as MPs não passavam por sua alçada, tanto na gestão Lula quanto durante o governo Dilma.

De acordo com Carvalho, que prestou depoimento à Polícia Federal pela manhã, a delegada o perguntou se já havia recebido algum presente de Marcondes. "Na hora, graças a Deus, eu lembrei: quando adotei minhas duas filhas, em 2009, ele enviou duas bonecas para elas. Pelo que entendi, elas não tinham valor nenhum", diz o ex-ministro. Ele sustenta ainda que os investigadores fazendo acusações sem provas. "Eles pegaram esse papeis (em apreensões), sem terem falado comigo, e fizeram determinadas interpretações", acusou.

Cita, por exemplo, que um determinado bilhete apreendido pela PF citava uma reunião com Gilberto Carvalho. "Nessa data que diz o bilhete eu estava com o Lula em Roma", afirmou.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247