Golpe recolocará Brasil no mapa da fome

Depois de ter saído do mapa da fome em 2014, no governo da presidente Dilma Rousseff, o Brasil deverá jogar 3,6 milhões de pessoas abaixo da linha da pobreza sob o gestão de Michel Temer; essa é a estimativa do Banco Mundial para 2017, considerando que a linha de pobreza seja de R$ 140 mensais por pessoa; no cenário mais otimista, o Banco Mundial prevê 2,5 milhões de novos pobres neste ano no Brasil; estudo diz que o aumento da pobreza será maior entre os jovens que trabalhavam no setor de serviços; com o golpe liderado por Michel Temer, a economia brasileira afundou de vez; ano de 2016 foi o pior da história para o comércio varejista brasileiro; setor bateu recordes de fechamento de lojas, de demissões e de queda nas vendas

Depois de ter saído do mapa da fome em 2014, no governo da presidente Dilma Rousseff, o Brasil deverá jogar 3,6 milhões de pessoas abaixo da linha da pobreza sob o gestão de Michel Temer; essa é a estimativa do Banco Mundial para 2017, considerando que a linha de pobreza seja de R$ 140 mensais por pessoa; no cenário mais otimista, o Banco Mundial prevê 2,5 milhões de novos pobres neste ano no Brasil; estudo diz que o aumento da pobreza será maior entre os jovens que trabalhavam no setor de serviços; com o golpe liderado por Michel Temer, a economia brasileira afundou de vez; ano de 2016 foi o pior da história para o comércio varejista brasileiro; setor bateu recordes de fechamento de lojas, de demissões e de queda nas vendas
Depois de ter saído do mapa da fome em 2014, no governo da presidente Dilma Rousseff, o Brasil deverá jogar 3,6 milhões de pessoas abaixo da linha da pobreza sob o gestão de Michel Temer; essa é a estimativa do Banco Mundial para 2017, considerando que a linha de pobreza seja de R$ 140 mensais por pessoa; no cenário mais otimista, o Banco Mundial prevê 2,5 milhões de novos pobres neste ano no Brasil; estudo diz que o aumento da pobreza será maior entre os jovens que trabalhavam no setor de serviços; com o golpe liderado por Michel Temer, a economia brasileira afundou de vez; ano de 2016 foi o pior da história para o comércio varejista brasileiro; setor bateu recordes de fechamento de lojas, de demissões e de queda nas vendas (Foto: Aquiles Lins)

247 - Depois de ter saído do mapa da fome em 2014, no governo da presidente Dilma Rousseff, o Brasil deverá jogar 3,6 milhões de pessoas abaixo da linha da pobreza com Michel Temer. Essa é a estimativa do Banco Mundial para 2017, considerando que a linha de pobreza seja de R$ 140 mensais por pessoa.

No cenário mais otimista, o Banco Mundial prevê 2,5 milhões de novos pobres neste ano no Brasil. O estudo diz que o aumento da pobreza será maior entre os jovens que trabalhavam no setor de serviços.

O coordenador de Desenvolvimento Humano e Pobreza do Banco Mundial para o Brasil, Pedro Olinto, explicou como é o perfil dessa população que pode ir para pobreza neste ano. A instituição internacional sugere a ampliação do Bolsa Família para amenizar o impacto do aumento da pobreza.

O organismo informa que seriam necessários quase R$ 30,5 bilhões para o Bolsa Família, em 2017, para receber esse novo contingente de pessoas. O valor é cerca de 3% superior ao reservado no orçamento para o programa, neste ano.

Fracasso da economia

Com o golpe liderado por Michel Temer, a economia brasileira afundou de vez. O ano de 2016 foi o pior da história para o comércio varejista brasileiro. O setor bateu recordes de fechamento de lojas, de demissões e de queda nas vendas. Entre aberturas e fechamentos, 108,7 mil lojas formais encerraram as atividades no País no ano passado e 182 mil trabalhadores foram demitidos, descontadas as admissões do período, revela um estudo da Confederação Nacional do Comércio (CNC). O ano superou os resultados negativos de 2015 tanto na quantidade de lojas desativadas como em vagas fechadas. Em dois anos, o comércio encolheu em mais de 200 mil lojas e quase 360 mil empregos diretos.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247