Governador do Amazonas diz que país não pode ficar sem dinheiro do Fundo Amazônia

O governador do Amazonas, Wilson Miranda Lima, diz que estados podem buscar recursos de países como Alemanha e Noruega diretamente, sem participação do governo federal. O envio de recursos do Fundo Amazônia foi paralisado devido às políticas do governo Bolsonaro, que fragilizaram o Meio Ambiente, e à hostilidade do ocupante do Palácio do Planalto para com os governos dos países doadores

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O governador do Amazonas, Wilson Miranda Lima, diz que estados podem buscar recursos de países como Alemanha e Noruega diretamente, sem participação do governo federal. O envio de recursos do Fundo Amazônia foi paralisado devido às políticas do governo Bolsonaro, que fragilizaram o Meio Ambiente, e à hostilidade do ocupante do Palácio do Planalto para com os governos dos países doadores.  

Em entrevista ao jornalista Phillippe Watanabe da Folha de S.Paulo, o governador amazonense diz que o dinheiro internacional e o Fundo Amazônia são essenciais para a conservação da Amazônia.   

O governador constata que ocorre a fragilização de  de órgãos de fiscalização ambiental e a ampliação de um discurso de permissividade para crimes ambientais. 

A suspensão do Fundo Amazônia, provocada por Jair Bolsonaro, acarreta uma situação preocupante.   

O governador diz que, caso não haja acordo entre governo federal, Noruega e Alemanha, principais doadores do fundo, os estados amazônicos buscarão verbas por meio de um consórcio ou individualmente, sem a presença do poder federal. 

“O fato é que o Fundo Amazônia é essencial e não podemos ficar sem esses recursos”, diz.  

O governador denuncia que os incendiários da floresta amazônica - que não têm nada a ver com ONGs, como Bolsonaro acusou falsamente -, sentem-se à vontade porque há um clima de permissividade. Esses incendiários agem como se fossem sem ser anistiados no dia seguinte.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247