Governo Bolsonaro reduz autuações por crimes como queimadas e desmate na Amazônia Legal

Queda de 23% nas autuações por crimes ambientais na Amazônia Legal foi verificada no período entre janeiro e agosto na comparação com o mesmo período de 2018. Nos primeiros oito meses deste ano, queimadas e alertas de desmatamento tiveram altas expressivas

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Queda de 23% nas autuações por crimes ambientais na Amazônia Legal foi verificada no período entre janeiro e agosto na comparação com o mesmo período de 2018. Nos primeiros oito meses deste ano, queimadas e alertas de desmatamento tiveram altas expressivas

Os dados são de um levantamento feito pelo G1 com base em informações do portal "Dados Abertos do Ibama". Veja os principais pontos do levantamento e da crise na Amazônia:

  • As autuações por crimes contra a flora caíram 23%, de 2.931 (em 2018) para 2.265 (em 2019), nos 9 estados que compõem a Amazônia Legal
  • Autuações de todos os tipos (crimes contra a fauna e o ecossistema, falta de licenciamento, entre outros) também caíram, de 4.127 (em 2018) para 3.801 (em 2019), recuo de 8%
  • Fiscais proibiram (embargaram) o uso de 1.837 áreas, 20 a mais que no ano passado
  • Servidores contam que os embargos não são respeitados e que o Ibama está enfraquecido na atual gestão
  • Cidades com mais embargos são as que tiveram mais desmatamento e fogo nos últimos 10 anos
  • Nasa aponta que 2019 foio pior ano de queimadas na Amazônia brasileira desde 2010
  • Alertas de desmatamento no bioma subiram 23% de junho a agosto

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email