Governo muda chefia de combate ao trabalho escravo após crítica por falta de verbas

Ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, deverá trocar a chefia da Divisão de Fiscalização para a Erradicação do Trabalho Escravo (Detrae), hoje sob o comando de André Esposito Roston, que criticou duramente a falta de recursos do órgão durante audiência pública realizada em agosto, no Senado; declarações de Roston colocaram pressão sob o ministro que desde que assumiu o cargo vem dando sinais contrários à política de combate ao trabalho escravo no país; mudança acontece  às vésperas da divulgação da chamada lista suja, que inclui o nome de empregadores que fazem uso de mão de obra análoga à escravidão

Ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, deverá trocar a chefia da Divisão de Fiscalização para a Erradicação do Trabalho Escravo (Detrae), hoje sob o comando de André Esposito Roston, que criticou duramente a falta de recursos do órgão durante audiência pública realizada em agosto, no Senado; declarações de Roston colocaram pressão sob o ministro que desde que assumiu o cargo vem dando sinais contrários à política de combate ao trabalho escravo no país; mudança acontece  às vésperas da divulgação da chamada lista suja, que inclui o nome de empregadores que fazem uso de mão de obra análoga à escravidão
Ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, deverá trocar a chefia da Divisão de Fiscalização para a Erradicação do Trabalho Escravo (Detrae), hoje sob o comando de André Esposito Roston, que criticou duramente a falta de recursos do órgão durante audiência pública realizada em agosto, no Senado; declarações de Roston colocaram pressão sob o ministro que desde que assumiu o cargo vem dando sinais contrários à política de combate ao trabalho escravo no país; mudança acontece  às vésperas da divulgação da chamada lista suja, que inclui o nome de empregadores que fazem uso de mão de obra análoga à escravidão (Foto: Paulo Emílio)

O ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, deverá trocar a chefia da Divisão de Fiscalização para a Erradicação do Trabalho Escravo (Detrae), hoje sob o comando de André Esposito Roston, que criticou duramente a falta de recursos do órgão durante audiência pública realizada em agosto, no Senado.

As declarações de Roston colocaram pressão sob o ministro que desde que assumiu o cargo vem dando sinais contrários à política de combate ao trabalho escravo no país. A retomada da chamada lista suja – que inclui o nome de empregadores que fazem uso de mão de obra análoga à escravidão -, por exemplo, somente foi divulgada após determinação judicial. Após a audiência, uma ação civil pública foi ajuizada pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) visando assegurar a continuidade dos trabalhos de fiscalização.

O Ministério do Trabalho justificou a saída de Roston alegando que "funções de chefia são transitórias, e o combate ao trabalho escravo não depende de uma pessoa". Ainda segundo o ministério, dentre as prioridades da pasta estão "o combate ao trabalho escravo e infantil". A mudança da diretoria do Detrae, contudo, ocorre às vésperas da divulgação da nova lista suja por parte do ministério.

 

Conheça a TV 247

Mais de Brasil

Ao vivo na TV 247 Youtube 247