Governo muda chefia de combate ao trabalho escravo após crítica por falta de verbas

Ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, deverá trocar a chefia da Divisão de Fiscalização para a Erradicação do Trabalho Escravo (Detrae), hoje sob o comando de André Esposito Roston, que criticou duramente a falta de recursos do órgão durante audiência pública realizada em agosto, no Senado; declarações de Roston colocaram pressão sob o ministro que desde que assumiu o cargo vem dando sinais contrários à política de combate ao trabalho escravo no país; mudança acontece  às vésperas da divulgação da chamada lista suja, que inclui o nome de empregadores que fazem uso de mão de obra análoga à escravidão

Ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, deverá trocar a chefia da Divisão de Fiscalização para a Erradicação do Trabalho Escravo (Detrae), hoje sob o comando de André Esposito Roston, que criticou duramente a falta de recursos do órgão durante audiência pública realizada em agosto, no Senado; declarações de Roston colocaram pressão sob o ministro que desde que assumiu o cargo vem dando sinais contrários à política de combate ao trabalho escravo no país; mudança acontece  às vésperas da divulgação da chamada lista suja, que inclui o nome de empregadores que fazem uso de mão de obra análoga à escravidão
Ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, deverá trocar a chefia da Divisão de Fiscalização para a Erradicação do Trabalho Escravo (Detrae), hoje sob o comando de André Esposito Roston, que criticou duramente a falta de recursos do órgão durante audiência pública realizada em agosto, no Senado; declarações de Roston colocaram pressão sob o ministro que desde que assumiu o cargo vem dando sinais contrários à política de combate ao trabalho escravo no país; mudança acontece  às vésperas da divulgação da chamada lista suja, que inclui o nome de empregadores que fazem uso de mão de obra análoga à escravidão (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, deverá trocar a chefia da Divisão de Fiscalização para a Erradicação do Trabalho Escravo (Detrae), hoje sob o comando de André Esposito Roston, que criticou duramente a falta de recursos do órgão durante audiência pública realizada em agosto, no Senado.

As declarações de Roston colocaram pressão sob o ministro que desde que assumiu o cargo vem dando sinais contrários à política de combate ao trabalho escravo no país. A retomada da chamada lista suja – que inclui o nome de empregadores que fazem uso de mão de obra análoga à escravidão -, por exemplo, somente foi divulgada após determinação judicial. Após a audiência, uma ação civil pública foi ajuizada pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) visando assegurar a continuidade dos trabalhos de fiscalização.

O Ministério do Trabalho justificou a saída de Roston alegando que "funções de chefia são transitórias, e o combate ao trabalho escravo não depende de uma pessoa". Ainda segundo o ministério, dentre as prioridades da pasta estão "o combate ao trabalho escravo e infantil". A mudança da diretoria do Detrae, contudo, ocorre às vésperas da divulgação da nova lista suja por parte do ministério.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247