Governo nega mudanças na lei do aborto

Conselho Federal de Medicina (CFM), que representa 400 mil médicos, pediu liberação desse método de interrupção de gravidez até a 12ª semana de gestação ; bancada evangélica e Igreja Católica reagiram contra

Governo nega mudanças na lei do aborto
Governo nega mudanças na lei do aborto
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, negou nesta quinta-feira, 21, as possibilidades de o governo federal rever a lei do aborto no País. Questionado sobre sua posição pessoal, respondeu: "Sou ministro da Saúde, sou governo".

Um dia antes, o Conselho Federal de Medicina (CFM), que representa 400 mil médicos, pediu liberação desse método de interrupção de gravidez até a 12ª semana de gestação.

A polêmica, que teve papel importante na campanha presidencial de 2010, provocou logo uma reação do governo.

Presidente da Frente Parlamentar Mista em Defesa Permanente da Família Brasileira, o senador Magno Malta (PR-ES), membro da bancada evangélica da Casa, já avisou que vai organizar uma manifestação no Congresso Nacional. Para ele, a proposta seria o mesmo que "promover a morte em série no País."

A volta do debate no país poderá se tornar a primeira crise enfrentada pelo papa Francisco, com viagem marcada para o Brasil no meio do ano, para Jornada Mundial da Juventude.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email