Governo se arma para defender nova Previdência

A equipe econômica do governo Bolsonaro está reunindo informações que serão usadas na campanha de convencimento da população sobre a reforma da Previdência; os primeiros alvos devem ser os pontos considerados mais sensíveis, como o pagamento de benefícios assistenciais abaixo do salário mínimo

Governo se arma para defender nova Previdência
Governo se arma para defender nova Previdência

247 - A equipe econômica está reunindo informações que serão usadas na campanha de convencimento da população sobre a reforma da Previdência. Os primeiros alvos devem ser os pontos considerados mais sensíveis, como o pagamento de benefícios assistenciais abaixo do salário mínimo. Foram coletados dados de outros 18 países, mostrando que nenhum deles faz a vinculação desse tipo de benefício – que não exige contribuição anterior – ao piso salarial. A informação é do Jornal Estado de S.Paulo. 

Na reforma do ex-presidente Michel Temer, a oposição usou essa mudança para atacar a proposta com o mote de que o governo prejudicaria os idosos mais pobres. Agora, a equipe do presidente Jair Bolsonaro contra-ataca dizendo que vai antecipar a concessão do benefício assistencial. “Vamos dar um dinheiro que ele não tem hoje”, diz uma fonte que participa das discussões. 

A área econômica propõe que os brasileiros de baixa renda (com renda familiar per capita inferior a um quarto do salário mínimo) comecem a receber R$ 500 a partir dos 55 anos, quando a capacidade de trabalho começa a diminuir – e, consequentemente, o salário. Esse valor aumentaria a R$ 750 a partir dos 65 anos. Para pessoas com deficiência sem condições de sustento, o benefício seria maior, de R$ 1 mil, independentemente da idade.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247