'Governo vai ter que enfrentar as medidas impopulares', diz Mourão em evento na Fiesp

"Temos um preço para pagar no curto prazo", disse o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB), para uma plateia de empresários da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), nesta terça-feira (26); "Nosso governo vai ter que enfrentar as medidas impopulares. Na instituição que eu servi durante 46 anos a gente sempre dizia: o comandante não tem que ser aplaudido no pátio. O comandante tem que tomar decisões", afirmou

'Governo vai ter que enfrentar as medidas impopulares', diz Mourão em evento na Fiesp
'Governo vai ter que enfrentar as medidas impopulares', diz Mourão em evento na Fiesp
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Durante evento na Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), nesta terça-feira (26), o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) fez um discurso para agradar os empresários, que querem a aprovação da reforma da Previdência. Ele disse que o governo tem que encarar a tomada de medidas impopulares.

"Temos um preço para pagar no curto prazo. Nosso governo vai ter que enfrentar as medidas impopulares. Na instituição que eu servi durante 46 anos a gente sempre dizia: o comandante não tem que ser aplaudido no pátio. O comandante tem que tomar decisões. Então nós teremos que tomar decisões para que o país progrida no longo prazo. Por isso, temos que colocar na cabeça das pessoas que abdiquem a ideia de que o estado pode tudo. Roda a maquininha lá e produz o dinheiro", disse.

A declaração do vice acontece em meio a uma crise com trocas de críticas públicas entre Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), sobre a articulação da reforma da Previdência.

"Vai levar pedrada? Vai levar pedrada. Isso faz parte da vida política. Todos sabem que minha experiência política é baixíssima, mas o bom senso tem que prevalecer nessas horas", acrescentou Mourão, que saiu em defesa de Bolsonaro, a quem chamou de "estadista".

"Bolsonaro não é nem nunca será uma ameaça à democracia. Ele é um estadista. Ele não está pensando nas próximas eleições. Está pensando nas próximas gerações. Isso é sincero", garantiu.

Sobre a reforma da Previdência, Mourão disse que o modelo atual do Benefício de Prestação Continuada (BPC) é insustentável e, embora tenha afirmado que será uma "briga" alterar o modelo.

As declarações de Mourão sobre o BPC vêm no mesmo dia em que líderes de 11 partidos assinaram uma nota em que se posicionam contra as mudanças no benefício e que estão no texto da reforma previdenciária.

Segundo reportagem da agência Reuters, o vice disse ainda que, pelo modelo atual, o idoso pode pode se aposentar recebendo um salário mínimo aos 65 anos, independente de ter contribuído com a Previdência, o que, para ele, inibiria a contribuição.

Mourão também disse aos empresários que o pacto firmado na Constituição de 1988 precisa ser revisto, especialmente no que diz respeito ao modelo orçamentário, e acrescentou que a população precisa compreender que também obrigações, e não apenas direitos.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247