Grampo revela que Gilmar não pode julgar Aécio

Reportagem do Brasil de Fato questiona a isenção de Gilmar Mendes em julgar processos do senador Aécio Neves, dada a relação de amizade entre eles, explicitada num diálogo grampeado legalmente pela PF em 2017; para o professor da PUC/SP Álvaro de Azevedo é preciso esclarecer se a conversa foi "de amizade ou de política"; "Sendo de amizade, aplica o [artigo] 254, inciso 1º. Sendo de política, a gente então precisa discutir a própria estrutura e estratégia do STF", diz

Grampo revela que Gilmar não pode julgar Aécio
Grampo revela que Gilmar não pode julgar Aécio

247 - Reportagem de Leonardo Fernandes, no Brasil de Fato questiona a isenção de Gilmar Mendes em julgar processos do senador Aécio Neves, dada a relação de amizade entre eles, explicitada num diálogo grampeado legalmente pela Polícia Federal em maio de 2017:

"- Você sabe, um telefonema que você poderia dar que me ajudaria na condução lá. Não sei como é sua relação com ele, mas ponderando. Enfim, ao final dizendo que me acompanhe lá, que era importante. Era o Flexa, viu? - diz Aécio.

- O Flexa. Tá bom, eu falo com ele - responde Gilmar".

Para o professor Álvaro de Azevedo Gonzaga, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), especialista em filosofia do direito "essa conversa do Aécio com o Gilmar Mendes foi uma conversa de amizade ou de política. Sendo de amizade, aplica o [artigo] 254, inciso 1º. Sendo de política, a gente então precisa discutir a própria estrutura e estratégia do STF. O STF é um órgão político ou jurídico? Porque se o STF for um órgão político, aí não há problema, ele se assume como tal. Agora se ele se declara como um órgão jurídico, há problema".

Ao vivo na TV 247 Youtube 247